terça-feira, 22 de outubro de 2013

Para um amigo e para quem sofre e sabe desta dor.



Sabe, não te conheço muito, aliás, foram poucas as vezes que nos encontramos pessoalmente.
Foi por causa da dor que nos identificamos, foi a partir dela que um dia entrei naquela instituição aonde ia praticar minha gratidão à Irmandade.
Não ajudava ninguém, mas falar sobre mim a todos esvaziava um pouco o peso das costas, a culpa do meu coração.
Lembro dos rostos, você não tem noção de como foi difícil superar a timidez e falar para pessoas que, muitas vezes, faziam questão de virar os olhos pra cima para demonstrar o descontentamento de ter que estar ali.
Assim, aprendi humildemente a não julgá-los... ninguém é obrigada a gostar.
Só que não foram as pessoas de mente fechada que me marcaram, mas as que conseguiram filtrar algo de bom desses encontros.
Como você.
Sei também que ao sair de lá não gostou do nosso Grupo,teve azar na escolha do padrinho - que logo recaiu - mas por isso a literatura diz que não devemos tirar conclusões de apenas uma ou duas reuniões...
90 dias, 90 reuniões, isso é sugerido.
Nossa Irmandade é mundial, ninguém torna-se perfeito, mas conseguimos melhorar.
Hoje eu senti seu sofrimento na nossa conversa lacônica.
Não posso dizer "falaaaaaaa"...
Posso dizer de mim para você, porque de novo digo, a dor é muito semelhante.
Enquanto você continuar tentando lutar sozinho, enquanto não se render, enquanto não soltar as rédeas, enquanto achar que pode controlar sua vida, desculpe amigo, vai sofrer.
Sofrerá assim, s o z i n h o.
Eu torço por você, amo sua vida, o que puder fazer para te ajudar, farei,
Quase todos os dias perguntava pra sua mãe se havia voltado, porque sofro junto quando vejo estranhos na ativa, imagine uma pessoa encantadora e de grande coração como você?
Minha vida não é fácil, não é bolinho não.
Você, muito mais do que qualquer pessoa, sabe como eu estava nos dias que antecederam esta última cirurgia.
Falei dos meus medos, do sentimento de solidão... de querer colo e não ter.
Sim, foi um show de auto-piedade.
Você soube levar bem, esqueceu-se da sua dor e cuidou da minha... lembrou-me da música da Rita Lee "toda mulher se faz de coitada, toda mulher é meio Leila Diniz".
Aprendi a viver um dia de cada vez.
Percebo que quando coloco os barulhos para fora e me ouço falando, cresço, alivio a carga.
Perfeita? Não... nunca... complicada? Sempre... um pouco menos...
Fiz 18 meses e hoje completo 8 dias de total lucidez.
Neste tempo, passei por cirurgias, minha casa destelhou com o vendaval (duas vezes) tive decepções com pessoas, houveram mortes de pessoas que me abalaram, houve a morte da minha grande companheira, esta da foto do Blog.
Fora as pessoas que tive que matar dentro de mim e se tornaram fantasmas no cemitério da minha mente.
Semana passada levei mais uma martelada da vida, chorei muito, desesperadamente. Tive vontade de desistir, mas recebi apoio da minha filha, meu tesouro maior nesta vida.
Juro que pensei "vou chutar o balde"... mas sou muito orgulhosa, quero ser ficha única, quero somar anos e anos... quero que os moranguinhos que estou plantando tornem-se uma linda colheita, chega destes abacaxis.
Se eu recair, vai ajudar?
Vou ficar rica?
Vai aparecer um príncipe encantado?
Não... o lance que descobri com o programa e é para mim o mais importante é justamente viver um dia de cada vez.
Estar consciente de quem sou, das minhas limitações, detectar os sintomas emocionais, espirituais, físicos da adicção.
Detê-los.
Busquei o isolamento há poucas 24 horas, sinceramente, não é consequência, mas opção pois tenho amigos (as), que brigam comigo por causa disso.
Minha vida não é só NA, como dizem algumas pessoas desprovidas de inteligência.
Sou uma mala mas ainda existe quem gosta de mim... rsrs...
Não me vejo como guerreira, tive câncer e simplesmente os medicamentos fizeram efeito e venci.
Um dia me olhei no espelho e decidi que dá para melhorar um pouco mais este corpo físico e novamente enfrento meu medos e vou pra sala de cirurgia arrumar meu corpo, não para ninguém... apenas para mim, pois quando a dor vem e me deixa, sinto-me mais forte, valorizo mais a minha vida, cada instante.
Poderia estar melhor? Poderia, mas poderia estar lutando pela vida num leito de hospital.
Frequento dois que são tapas na cara: um só tem pessoas deformadas pelo câncer e no outro só gente queimada.
Sim, cada um tem sua cruz, mas para mim funciona assim "olha só sua idiota, vai reclamar do que?".
Aí me sinto tola e vejo como tenho mais a agradecer.

Você é uma pessoa maravilhosa, sinto.
Não se isole do mundo, não adianta.
Procure uma forma de tirar este peso, trate sua doença...se dá certo para tantos os grupos de auto-ajuda, por que não daria para você amigo?
Não gostou desta Irmandade, até entendendo, é muito barulho, mas existe outras de 12 passos, muitas outras...AA, N/A...
Deveria se dar uma chance, deveria...
Não quer falar, mas deveria ouvir.
Dentro de uma sala poderia encontrar amigos, sair deste isolamento... talvez se visse num churrasco tomando guaraná e rindo muito.
De repente poderia perceber que não é pior que ninguém -bem, eu quando cheguei achei que era a mais podre das criaturas - também descobrirá que não somos melhores, somos doentes, não temos culpa, mas devemos ser responsáveis pela nossa recuperação.
Descobri tanta coisa sobre mim, apenas partilhando... ouvindo, lendo.
Aprendo muito, inclusive, com exemplos do que realmente não quero ser.
Tempo limpo não significa nada.
Continuo voltando por amor, cheguei como todos, pela dor.
Bem, eu estou aqui, pois os laços que nos unem são bem mais fortes do que aqueles que nos afastariam e eu me abraço a você e uno meu coração ao seu para que juntos possamos fazer aquilo que sozinhos não conseguiríamos.

Fica perto, fica junto, fica bem... FICA.


Tire de dentro de você o que te atormenta, lembre-se que JUNTOS PODEMOS... 

sábado, 12 de outubro de 2013

Criança é... criança não é.










Criança é para ser amada, não para ser abortada.
Criança é para trazer alegria, não para ser esquecida.
Criança é para todos, mas não para ser usada como salvação dos casamentos falidos.
Criança, quando tem pai e mãe, é para aprender a lidar com a separação, não para ser usada como arma de um contra o outro.
Criança deve ser vacinada. não para ser levada em postos de saúde nas Campanhas de Vacinações atrasadas (na minha opinião os pais deveriam ser multados).
Criança é para ser admirada, não reprimida.
Criança deve ser respeitada e não humilhada publicamente.
Criança deve estar em primeiro lugar na vida dos pais, não ser um empecilho para que estes justifiquem suas frustrações.
Criança deve ser levada aos circos, parques, teatros, não à bares.
Criança precisa ser vigiada, não ignorada.
Criança dever ser orientada quando errar, não ser castigada fisicamente.
Criança não deve apanhar, mas deve ter limites.
Criança precisa ouvir não de vez em quando, mas não deve ouvir APENAS não.
Criança tem que saber que apesar de tudo dar errado, sempre encontrará os braços carinhosos dos seus pais.
Criança deve ser colocada no colo e ouvida, não tratada aos gritos.
Criança merece ter toda a atenção e não ser deixada para depois.
Criança deve ter os joelhinhos roxos por suas travessuras - isso ouvi do melhor neuropediatra em Curitiba - deve correr, soltar pipa, brincar, e não ser colocada em frente a um videogame o tempo todo.
Criança deve ser tratada como criança, jamais deverá ser tratada como adulto.
Criança precisa brincar, não deve trabalhar, no máximo recolher os brinquedos e organizar sua bagunça.

Criança é tudo de bom, mesmo quando não é planejada. 

Minha criança não foi planejada, aliás, aos 17 anos eu era uma adolescente mimada, pois fui uma criança escolhida, desejada, aguardada, querida e muito amada.
Minha criança nunca teve um vacina atrasada, mas me viu cometer coisas erradas com as quais aprendeu muito, especialmente como não ser.
Porque não sou e jamais serei perfeita, mas ela me admira, porque me vê como uma guerreira.
Sabe que não desisto, sabe que sou verdadeira, franca e que batalho pelo que quero.
Minha criança nunca foi deixada sozinha, para acordar e sentir-se abandonada no mundo.
Minha criança sempre brincou, tinha joelhos roxinhos... fazia bico quando ouvia um não, aliás, foram poucos, mas foi o melhor presente que recebi na vida.
Minha criança teve, assim como eu, todos os seus direitos respeitados, a maior parte dos brinquedos que sonhou e sempre estudou nas melhores escolas desta cidade. 
Porque a minha criança merecia a melhor educação e foi o que almejei para ela.
Minha criança se tornou uma mulher digna, que aos 22 anos irá se formar, tem um ótimo emprego, uma casa comprada em seu nome, muita responsabilidade, muitos objetivos, muitos planos e um sorriso que encanta o mundo.
Minha criança veio na hora certa, não arrependo-me por tê-la tido novinha, por ter passado os melhores anos da minha vida lavando fraldas, fazendo papinhas, dividindo meu salário para que ela tivesse as melhores coisas e nunca se sentisse menos do que ninguém.
Minha criança trouxe uma nova perspectiva de vida aos meus pais, trouxe-lhes alegrias, sorrisos orgulhosos.
Minha criança se tornou uma mulher esforçada, que não tem preguiça de trabalhar.
Minha criança nos proporcionou muitas satisfações com suas atitudes, era sempre correta, elogiada por professores, líder da turma, uma das melhores dançarinas do Centro De Artes da Adriana Digiovanni, foi aquela criança que por ser tão perfeita simplesmente não precisava conferir se fazia a tarefa, aliás, descobri recentemente que ela via isso como descaso meu, mas expliquei que eu confiava nela, creio que tenha compreendido.
Minha criança não teve a melhor mãe do mundo, mas aos poucos consegue entender que teve o melhor que consegui ser dentro do meu mundo.
Minha criança é a mulher que mais amo nesta vida e foi por causa dela que desisti do suicídio, pois dentro de mim, apesar de ser uma criança muita amada, era cheia de medos e frustrações, não tinha auto-aceitação e era um grande "Rei Bebê".
Hoje, vivo, porque quero ser melhor para ela e quero ser uma boa vó para os netos que virão um dia.