terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Breve balanço de 2010






Quando o ano de 2009 terminou, lembro que agradeci por ter conseguido terminar um ano sem doença e sem mortes.
Estava meio chocada ainda com minha fase negra.

Parece que finalmente os caminhos se abriram, consigo enxergar a luz no fim do túnel.
De repente me encontrei profissionalmente em algo que jamais havia pensado.
Porque a vida nos leva para direções inimagináveis, basta o universo conspirar a nosso favor e nós, obviamente, estarmos atentos aos sinais.

2010 foi um ano bom que deixará saudades.

Tem coisas que eu gostaria que não tivessem acontecido, mas nem tudo dependeu apenas de mim e da minha boa vontade.

O que importa é que estou atenta para não cometer erros, injustiças, nem me deixar levar por sentimentos ruins que por ventura me acometem. Tento, mas estou longe de ser perfeita.

A única pessoa que pode me atrapalhar de verdade sou eu. NÓS nos destruímos, NÓS fazemos gol contra.
Não acontece só comigo.

Pelo menos este ano posso dizer que o saldo foi positivo.
Minha filha começou a faculdade, mudou de emprego para um lugar muito melhor, revelou-se uma vendedora de 1ª, meu marido está sendo reconhecido cada vez mais, meu genro está bem no emprego, eu passei no IBGE, fui chamada para assumir uma vaga efetiva na prefeitura, aumentei o numero de clientes e me tornei promotora.

Os reveses que tivemos vejo como momentos necessários para o nosso crescimento, mas a minha fé em Deus é inabalável, então, se trabalho tanto e honestamente sei que os frutos virão.

Ganhei a Sofia como afilhada (obrigada Rê), ganhei a Lynx... e estou a alguns meses de terminar definitivamente meu tratamento...

Pensar que dentro de 3 dias este ano acaba.
Foi rápido e foi bom demais!

Confio que em 2011 colherei os primeiros frutos de 2010.

Que seja de paz, amor e mais justiça para todos!

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Para pensar em 2011...

Estou fazendo uma lista com resoluções para o ano que começa. Sempre achei isso uma besteira, porque na realidade muda o calendário, mas os problemas continuam ali.
Só que a gente não deve ser assim tão racional porque a vida é feita de sonhos, objetivos, ideais.

Psicologicamente falando, precisamos de uma data, de começo, meio e fim.

Hoje presenciei uma cena no banco que gerou mais um ponto para ser trabalhado em 2011.
Quero externar minha indignação com a injustiça, não ser mais uma espectadora dos absurdos que vivenciamos diariamente.

Nós, funcionários públicos, temos o "privilégio" de termos uma miniagência, com numerosos "dois" caixas e mais "três" mesas de atendimento ao correntista (endividados em sua grande maioria) e cerca de 8 lugares para nos sentarmos. Pelo menos tem acessibilidade, inclusive ao BWC.

Uma conhecida que faz tratamento contra o câncer há anos, estava parada na porta giratória pedindo encarecidamente para que o segurança a deixasse entrar e sentar-se, pois tinha feito quimioterapia e não sentia-se bem para aguardar em pé do lado de fora, com este calor básico ainda.
Eu ia sair e o ouvi dizendo que não tinha lugar e que nada poderia fazer.

Olhei e vi um lugar.

Pensando que talvez o rapaz com quem eu até simpatizava não tinha observado, avisei-o. Ele veio com um papo que se ela tivesse com uma carteirinha... e não fez nada.

Falei que a lei a protegia, que iria denunciar.
Será que numa cidade como a nossa, nem tão populosa, a pessoa, no caso uma senhora, debilitada visivelmente, com um chapéu pra esconder as falhas de cabelo provocada pelas sessões, iria mentir perante tantos colegas?
Porque ali não é uma agência comum. Ali só vão funcionários públicos.

Certamente esta criatura não sabe o que é ter um câncer maldito corroendo seu corpo.
O que eu passei, passou... mas no caso dela, vai e volta.
Isto é o maior temor de quem já se tratou.

Coloquei-me no lugar dela.

Já é uma b**** estar sem saúde, ter que sair à pé neste calor para receber uma merreca de salário e ainda por cima topar com um desgraçado, infeliz que acha que pra sentar você seria capaz de tudo, até de se dizer doente.

O que será que aprendem os seguranças?
A nos dar insegurança já sabemos,mas e ao que mais?
Bom senso para alguns é matéria para aprender dentro da sala de aula.
O cara foi incapaz de pensar por um minuto "e se for verdade"?

A gente chega no banco e não é visto como um cliente, mas como possível assaltante.

Só que neste caso esbarrou não só no péssimo treinamento, faltou caridade, amor ao próximo, SOLIDARIEDADE.

Fiquei muito abalada porque sei bem como a gente vê o mundo sem cores quando temos esta doença, parece que nada nos pertence mais... e quando algo dá errado toma dimensões enorme em nossos corações.

Não vou mais ficar quieta.
Até hoje penso no cara que pegou um cachorro no trapiche da Ilha do Mel e jogou na água ao lado da barca que estacionava.
Fez isso para o filho... e dava risada. Vi muita gente indignada mas ninguém tinha visto quem foi o monstro.

Só me calei porque o Hélio não gosta do que chama de "barraco".

...mas até hoje penso que deveria ter falado.

O cachorro não morreu.

Por isso em 2011 sempre que eu puder fazer algo para ajudar alguém contra alguma injustiça eu o farei.


Não vamos mais deixar que o errado prevaleça.

sábado, 25 de dezembro de 2010

25 de dezembro... qual é o verdadeiro significado pra você?

Eu sempre gostei do Natal, não o achava triste, pelo contrário...sempre foi o momento de estar com a família, celebrar, agradecer.
Na infância lembro direitinho da minha sensação de menina que acreditava no Papai Noel. Que era ele que dava um jeito e deixava exatamente o que eu pedi na árvore... e um pouco mais até... como era boa aluna achava que era por isso.
Claro que tive minha fase rebelde e pensava que preferia uma família maior, que a gente se desse bem de verdade... porque sempre tive a figura desagregadora dentro de casa...



...mas sempre curti. Por todo o clima... e especialmente por ser mais um momento de estar com meus pais.
Hoje, fiz a sobremesa que meu pai amava... pavê de pêssego... (pessego tem acento???)...também foi a primeira vez que preparei uma ceia que eles não estivessem incluídos...

Eu amo minha vida mas reconheço que ela não é um docinho não.

Não há dor que sempre dure.
Só que não é chegado o tempo.


(vou ver um documentário do renato russo)

feliz natal

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Natal...

Tá chegando o Natal. Para quem já perdeu algum ente querido sabe que aquela ALEGRIA de outrora já não pode mais existir.
Sei que isso vai mudando quando as novas gerações forem chegando.
Tudo ao seu tempo.

Este ano farei ceia, jantaremos nós quatro e certamente será ótimo porque conseguimos ter harmonia, paz e união, não só na noite de Natal.

E é engraçado como as pessoas mudam, como o clima muda, tudo tem um brilho. Tudo bem, o brilho das propagandas e dos anúncios para que sintamos a obrigação de comprar um presentinho.
Porque eu duvido que exista alguém que consiga não comprar absolutamente nada no Natal, apenas por opção.
Por pobreza sabemos que há muitos.

Nem que seja para comprar 10 lembrancinhas de 10 reais. Se souber escolher com certeza pode até agradar.
O importante é você entrar na onda e consumir.
Porque Natal é tempo de comprar, comprar... nem que seja para você.
Ou você não liga de ir a confraternização com a mesma roupa de todos os dias? Só quando a gente não POOOOOODEEEEE MEEEEEEEEESSSSMO... porque mulher é um bichinho gastador... admito.


Só que nesta época, até aquele namorado mais mão de vaca compra algo pra sua namorada. Porque imagine você não dar nada pra ela. É fim de namoro.

Todo mundo quer dar alguma coisa para alguém. Nem que não possa. A gente dá um jeito e dá.

As pessoas também ficam mais solidárias, doam mais, visitam mais creches, estão com uma carinha mais simpática.
Menos eu. Estou sempre com pressa, quando as coisas não fluem já me irrito.
A diferença é que hoje isso não passa de 5 minutos...logo já penso em como é bom viver...

Que bom se a gente fosse sempre assim o ano inteiro... com esta disposição para o bem, e principalmente, se tivéssemos sempre um salário a mais no fim do mês...


HOHOHOHOHOHOHOHOHOHOHOHO!


FELIZ NATAL! SÓ NÃO SE EMPANTURREM TANTO E NEM BEBAM DEMAIS!