quinta-feira, 29 de abril de 2010

...escolhas...




Pessoas são assim, basicamente iguais na forma, mas totalmente diferentes em seu conteúdo.


Uns acham que sempre está bom, outros só enxergam o que está ruim.
Muitos adoram chocolate, outros conseguem não gostar simplesmente.
Alguns acham que sertanejo é o que há a nível de música, enquanto outros acham de uma mediocridade de conteúdo.
Tem aqueles que adoram a Joelma e o Chimbinha... e os que não entendem como alguém cantando daquela forma possa ser chamada de cantora e receber prêmios.

E quando o ramo é a gastronomia?
Numa mesma família a gente vê irmãos com gostos tão distintos.
Um não come milho, outro maionese... e assim vai... quanto mais filhos, mais a mãe tá lascada.
Eu gosto de café forte, meu marido... fraaaaacooo...

Tem os que gostam de beber, os que bebem pouco, os que não bebem nada.
Dentro disso, os que ficam chatos, xaropes e os que são um verdadeiro porre.
Dos que não bebem, tem os que reclamam e os que não enchem o saco. Ficam de boa.
Uma infinidade de alguns que se seguram pra não beber e outra que está se tornando alcoolotras.

Tem aqueles que adoram estudar... e tantos que acham um saco.
Alguns ouvem o professor e já entendem a matéria. Alguns viajam para o mundo inteiro durante os 50 minutos de aula.

Uns acreditam em Deus, outros tem orgulho de serem ateus.
Quem não vive com sua família, que não consegue viver junto.

Há os tolerantes e os intolerantes.
Os que tem paciência e os que estouram logo.
Há os inconsequentes.
Do outro lado tem os precavidos.

Também há os doentes, os saudáveis...

Pessoas são apenas pessoas.
A gente nunca sabe por qual caminho vai seguir.
Qual grupo farei parte?

Vou ser do tipo simpático ou antipático?
Será que minto para deixar uma boa impressão ou apenas mostro quem eu sou?

Porque qualquer um de nós está sujeito a todas as coisas da vida, tanto boas quanto ruins.
O que nos leva a determinadas escolhas não deve ser apenas o livre-arbítrio, eu creio que há muito mais coisas dentro destas nossas almas, aprisionadas nestes corpos.
De repente você escolhe uma pessoa pra viver ao seu lado, ou não, prefere viver numa boa sozinho.
Sei lá.
Deste mundo o que mais peço que Deus tire do meu caminho são os psicopatas, assassinos, pessoas más... este tipo de gente que não tem respeito pelo próximo.
Que te matam pra tirar um bem pessoal seu. Isso quando não matam apenas por prazer.

Como pode?
A que ponto este país chegou?
O que há com esta nação?

Eu percebo que as pessoas estão perdendo a vergonha na cara.
Sou de um tempo que os homens tinham orgulho do seu caráter e da sua integridade.
Hoje vejo ostentação por parte de gente que faz qualquer coisa pra mostrar que tem.
Fazem qualquer negócio pra mostrar o poder aquisitivo.
Desviam verbas, sonegam impostos, ajudam o tráfico... mentem... enganam... trapaceiam...

Prefiro deitar a cabeça no travesseiro e dormir.

Passou a ditadura e fomos deixando de lado nossos valores aos poucos, o desrespeito se propagou.
Foram anos de tanto terror e medo, que fomos nos tornando excessivamente livres.

Uma parte também de termos nos perdido como nação tem haver com a educação.
Se todos os brasileiros tivessem oportunidade iguais de acesso à escola, nunca este país teria chego a este ponto.

Uma escola com laboratórios, quadras de esportes, refeitório, biblioteca, professores bem pagos, que se reciclassem sempre, enfim, pense no colégio Positivo de qualidade.
Imagine um garoto estimulado ao estudo, mesmo sendo pobre, se ele tivesse extamente as mesmas condições que ricos, só que custeado pelos altos impostos que pagamos.

Isso me revolta, a carga tributária é uma vergonha e se ligo a televisão vejo que uma coitada morreu esperando médico, que não há professores, cadeiras em sala de aula, merenda...

Somos iguais, diferentes nas oportunidades que a vida nos dá.
Não deveria ser assim, muito injusto.

domingo, 25 de abril de 2010

A cada dia...



De repente estava andando pelas ruas da cidade, passeando de carro, quando me dei conta que já serão 3 anos sem minha mãe.
Mil dias sem nos falarmos,sem nos vermos, imagino.

Comprei um cd da Maria Gadu, a música dona Cila é para avó dela que partiu.
Claro que me identifico.
Como a música do cd do novo do Rappa faz lembrar meu pai.
A vida é assim, cheias de sinais, nada é por acaso.

Chegando em casa o Hélio me pediu ajuda para recolher as jaboticabas do pé, fiquei surpresa com a quantidade e de como elas estavam lindas...este ano as formigas não fizeram muito estrago.
Num momento me lembro dela, recolhendo as frutas tão pequenas pra guardar pra nós.
Penso que ela gostaria de ver a árvore que eu plantei se desenvolver tão docemente assim.
Ela deve estar vendo.

Procuro praticar o desapego aprendendo a dar valor as coisas que realmente importam nesta vida.
Porque não posso simplesmente parar e chegar a conclusão fácil de que simplesmente nada nos pertence.
Dá uma certa desilusão, mas é contra ela que nós que estamos aqui devemos lutar. Precisamos perceber que o verdadeiro valor da vida não está no preço das coisas, mas na grandeza dos seus sentimentos.
Tenho pena de mim quando lembro quanto perdi por imaturidade.

Só que não me prendo a isso, olho pra frente, porque a gente não vai a lugar algum se ficar olhando o passado.
Eu convivo com a saudade, mas não me deixo levar pela tristeza, pelo desencanto...
Acredito sinceramente que tudo é apenas temporário, que nada termina assim.

É um turbilhão de sentimentos, EU sou alguém bem sentimental.
Quando vão chegando estas datas comerciais que nos empurram goela adentro, a gente fica mais perdido.
Bom pensar que tenho ótimas lembranças, me conforto lembrando que muitos não tem e nunca terão o privilégio de ter vivido com uma mãe e um pai tão bons e amáveis quanto os meus.

Também me reconforta pensar que estão bem e juntos como sempre quiseram.

Não me deixo entristecer e acredito que as coisas sempre podem melhorar.
Pelo menos, acho que minhas atitudes estão voltadas cada vez mais para o caminho do bem.
Minha dificuldade é quando preciso lidar com pessoas más, a decepção e o rancor sempre me atrapalham.

Eu tenho uma vida simples, básica, porém tenho paz e harmonia.
As lembranças que trago dentro do meu coração são necessárias para que eu lembre sempre quem sou eu, de onde vim, porque estou aqui.

Porque estou aqui?

Para aprender, evoluir.

Por isso eu agradeço à Deus por tudo o que ele já fez na minha vida.

sábado, 24 de abril de 2010

Ponto de Vista

Assim como impressão digital, cada um tem o seu.
É algo totalmente particular.
Engraçado é ver como algumas pessoas relutam tanto em aceitar opiniões contrárias às suas.
Claro que é mais fácil quando você fala e o outro concorda, mas quando o outro discorda embasado em argumentos sólidos e consegue te fazer ter outra visão sobre determinado assunto, é extraordinário.

Eu adoro ser convencida do contrário.
Porque sou do tipo de pessoa que pensa... e pensa muiiiiito.
Analiso tudo sobre todas as óticas, mas claro que sempre tendo para o lado que mais se assemelha as minhas idéias.
Todos somos assim... conscientemente ou não...

Tenho opinião. Não temo críticas.
Só não gosto quando as pessoas partem para o lado pessoal e tentam me atingir de forma anônima.
E como acontece quando se tem um blog.
Dou risada, mas publico comentários jocosos e covardes.
Esta manhã quando cheguei aqui tinha a opinião de uma "jornalista" ,Amanda, sobre meu texto a respeito do programinha Voz do Litoral.
Começou bem e perdeu a razão quando disse que minha boca é nojenta e que só sei criticar.
Oras, se não sabe ler então não fale besteira queridinha.

Não sou negativa, só que muitas vezes preciso descarregar minhas angústias através dos textos.
Estas angústias não se referem só a minha vida, que por sinal acho muito privilegiada em comparação a tantos.

Hoje cheguei aqui indignada, pensando mais uma vez, aonde vamos parar com este mundo tão violento.

Um assaltante apontou uma arma pra um bebê de 6 meses porque este não parava de chorar durante um assalto. Sorte que o anjo da guarda impediu o disparo.

Uma médica foi arrastada por bandidos presa ao cinto de segurança do seu carro.

Um motoboy foi espancado por policiais até a morte.


Enfim... já pensou em que mundo estamos vivendo?
Dá até dor na consciência quando pensamos que temos paz, que somos felizes.
Temos um bom teto, dormimos num colchão macio, nossa geladeira está cheia, temos água encanada...
Só que por aí as coisas não estão fáceis.

Eu quero fazer algo, mas sinto-me limitada, porque tenho tantas obrigações diárias.
Preciso voltar a fazer o trabalho voluntário no asilo.
É tão bom doar-se!

Acho péssimo perceber que infelizmente a maioria das pessoas pensa apenas no seu umbigo. Como esta que se diz "Amanda Jornalista", certamente não deve ser por formação. Também é uma pessoa medíocre, pois pra mandar um texto anônimo e ainda pra defender e admirar pessoas como Ratinho e Tony Lagos realmente não poderia achar meu blog interessante, pois minha capacidade intelectual vai além da sorte que estes dois tiveram na vida para estarem aonde estão.
A não ser que vocês concordem que TODO MUNDO que está na mídia são pessoas inteligentes, batalhadoras, que merecem e blá, blá, blá, blá, blá.
Então vou ter que acreditar que a Joelma (banda Kalipso), grupo Parangolé, Ratinho, Giane Albertoni etc... são pessoas competentes por isso estão na telinha.
Não concordo mesmo.
O nosso país é culturalmente feito por uma massa pouco pensante, instruída pra ser assim, então quando aparece seres medíocres a população acaba se identificando.
A "Amanda Jornalista" ou deve trabalhar pro Tony (se não for o próprio) ou deve curtir este tipo de "pograma".
Porque pra dizer que o Ratinho é dinâmico e autêntico, ou ela não sabe o que significam estas palavras ou é alguém culturalmente muito limitada. Ou as duas coisas...

Cada um, cada um.
Com toda sua baixaria, querendo ou não, o Ratinho está montado na grana e tem seu espaço na mídia. Não evolui, mas sua conta bancária sim.
Para pessoas como a "Amanda" isso deve ser uma pessoa dinâmica.
Sou do ponto de vista de que ter dinheiro não significa ser melhor.
Só que algumas criaturinhas deslumbradas pensam que sim.

Prefiro o exemplo do meu pai.

Poderia ter sido prefeito inclusive, mas nunca quis perder sua essência e entrar neste mundo tão podre quanto a da política.
Não deixou muito materialmente falando, porém o seu legado é imabtível.
Não sei quantos anos tem esta garota que veio me atacar em defesa do programa Voz do Litoral, mas antes de me xingar, QUERIDA, já que pensa que é jornalista, vá atrás da história de Ludovico Mikosz, vá se informar quem implantou nesta cidade o formato do jornal da manhã, quem iniciou a maior parte dos bons radialistas, quem foi o único que chegou ao topo sendo presidente da AERP, quem foi o responsável pela implantação da rádio Litoral Sul FM.

Sendo assim, não queiram que eu seja mais um telespectador que se contenta em ver um "pograma" tão tosco e bater palma; se fui criada pelo MELHOR.
Eu encho a boca pra dizer isso porque aonde vou quando cito meu sobrenome, as pessoas se emocionam e seus olhos se enchem de saudades do tempo em que esta cidade tinha meu pai comandando os microfones e cobrando dos vereadores e prefeitos uma postura solidária e digna com este povo sofrido.
Este é o verdadeiro objetivo (ou deveria ser) de um comunicador: ajudar o povo, fazê-lo pensar, fazê-lo exigir seus direitos.
Cresci aprendendo isso, vendo meu pai doar mais de 15 horas de seu dia procurando fazer o melhor pelos parnanguaras.

Logo, não espere que eu ache engraçado ver o desperdício de dinheiro e tempo dentro de um programa como o Voz do Litoral, que não acrescenta em nada a vida da população.
Tive amigos que foram participar lá, sei que não há nada de profissionalismo, não tem comprometimento em levar o melhor pro povo.
É tudo uma avacalhação, tudo feito "nas coxas".
Não gosto de coisas assim, sempre busco o perccionismo porque cresci com os melhores: a melhor mãe do mundo e o melhor pai.
Não me contento com pouco.

O programa continua medíocre, feito por pessoas que se comportam como se fossem William Bonner e Fátima Bernardes na vida real, inflam o peito.

No meu ponto de vista eles não servem pra nada.
E minha boca não é nojenta, pelo contrário, a acidez dela mata qualquer verme que possa deixá-la podre.

PS: Ao terminar o texto, zapeando pelas emissoras, eis que surge Tony Lagos na Festa do Camarão da Ilha do Amparo, devorando um camarão a milanesa no palito, em seguida metendo a mão sem guardanapo dentro do forninho e tirando um pastel, falando com a boca cheia, para terminar metendo a mãozona suja num peixe frito... tudo isso com o microfone na mão e tirando sarro das pessoas da sua equipe.
No mínimo, um belo exemplo de como uma pessoa NÃO deve se comportar.

sábado, 17 de abril de 2010

Uma pequena reflexão

Seria tão simples a vida se fosse fácil aceitar que somos todos iguais na forma, mas totalmente diferentes no conteúdo.
O que tem valor pra um, nada significa ao outro.
Isso pode me chocar, mas pode ser natural também.
Realmente, pense se fosse diferente, que seria do azul se todos gostassem do rosa?
Agora que estou mais madura procuro sempre treinar minha mente pra entender o outro.

Erro. Muitas vezes.
"Erros e acertos são filhos do mesmo pai", diz Nando Reis.

Porém, mesmo errando, sei que faço sempre uma reflexão do que acontece comigo, da maneira como me comporto, tenho uma percepção enorme dos meus defeitos.
Não me acha porra nenhuma. Sou.

Sou o quê? Porra nenhuma ou o máximo?
Vai da sua simpatia por mim, sempre há os que odeiam e os que amam.


Sei que precisava cultivar muito mais a paciência, a tolerância, evitar a ira, a avareza.
É bem conflitante segurar este meu gênio.
Ô se é.

Não relaxo porque quero ser sempre perfeita, prudente, sincera.
Quando quebro a cara com alguém, alguma marca em minha alma ficará.
Porque quando se é honesto, fica complicado entender a desonestidade.
Só que tento transformar tudo pro lado positivo.

Queria ser mais sossegada, mais zen.

Depois que me tratei, aprendi muita coisa, mudei em muitos sentidos, mas a essência está aqui e ainda precisa evoluir muito.
Porque não dá pra ninguém imaginar o que é estar pronta para uma nova realidade e de repente perder as duas pessoas que você mais ama na sua vida.
É um choque.

Eu adoro refletir, fazer auto-análise, "auto"psicoterapia... não vou exigir de mim a ponto de enlouquecer.
Um dia eu alcanço a elevação espiritual da qual necessito.

Pior seria se eu não me importasse.

Eu sei que tenho alguns dons, consigo sentir e perceber coisas que passam batido por outras. Eu enxergo a hipocrisia e a falsidade escondida em cada gesto, em cada sorriso.
Ruim isso, porque aí vem aquela implicância natural com determinadas pessoas.

Pode até ser uma loucura da minha cabeça. Não sou a dona da verdade, ninguém é. Isso tenho consciência.
Tem coisa que não consigo aceitar, quando deveria ser tolerante e até humilde.
Afinal, sei que todos somos filhos de Deus, com falhas, imperfeições, mas todo mundo tem um lado bom, quer dizer, há aqueles distúrbios mais sérios que tornam pessoas em assassinos frios e calculistas.

Este é outro ponto que me angustia, porque se pararmos pra pensar qualquer pessoa pode de repente surtar.
Você... eu...
Não temos controle de nada.
Não somos nada, não temos nada.

E vi o documentário do Michael Jackson sobre o show que ele estava montado para a sua turnê. Não parecia nada doente, nem me pareceu alguém que sentia dor.
Um cara educado, que falava em Deus sempre, que tratava bem sua equipe, sem estrelismo ou frescura.
Muito competente, muito atento.
Muito feliz.
Dá um nó na garganta quando acaba o filme, pensar que dias após aquelas cenas ele simplesmente foi embora.

Fiquei sentindo uma angústia que vai e volta no meu peito. É tão triste e melancolico pensar que um dia todos acabaremos, que o ciclo de vida dos meus pais terminou e de tantos outros, tios, amigos, conhecidos...
A morte faz parte da vida.
Só que dentro dos meus conceitos prefiro pensar que não acaba assim.
É apenas um afastamento.
Conviver com a saudade e procurar ser feliz é o que nos resta.

Porque nunca sabemos quando...

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Incoerência governamental

Pense nisso:

"O Brasil doou 15 milhões de dólares ao Haiti para ajudar as vítimas dos terremotos"

"Segundo os cálculos preliminares da CBF, o Brasil vai precisar gastar R$ 11 bilhões para se preparar para a Copa de 2014."


"Depois de três tentativas fracassadas, o Brasil finalmente ganhou a disputa pela sede dos Jogos Olímpicos. Agora, o governo brasileiro pode se preparar para colocar a mão no bolso. O projeto é estimado em R$ 25,9 bilhões, cifra sem precedentes na história do esporte nacional."


"O governo brasileiro está na fase final das negociações para adiquirir 36 caças para a FAB, podendo superar o valor de 4 bilhões de dólares".

Por outro lado...

"Quinze crianças morreram, neste ano, à espera de um leito em Unidades de Terapia Intensiva dos hospitais de Imperatriz, no Maranhão. Por isso, a Justiça determinou que o governo do estado providencie vagas."


"Ao todo, o Brasil conta com apenas 221 equipamentos de radioterapia, sendo que no Amapá não há nenhum aparelho e em três estados (Rondônia, Acre e Tocantins) há apenas um. Nessas regiões, doentes do interior têm que se mudar para a capital para serem atendidos. O problema se concentra nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste."


"... 15,6 milhões de famintos no Brasil."


"O Corpo de Bombeiros teme que cerca de 200 pessoas possam estar soterradas entre os escombros das mais de 50 casas que desmoronaram no Morro do Bumba em Niterói, na sequência das fortes chuvadas que fustigaram o Estado do Rio de Janeiro."

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&


Eu não precisaria escrever mais nada, se escrever não fosse o escape das minhas indignações com este mundo capitalista.
Tantas tragédias anunciadas, tanta gente sofrendo.
Sinceramente, sinto-me impotente.
A única coisa que poderíamos fazer era nos unir e sair pras ruas exigindo que os altos importos que pagamos fossem melhor distribuídos.

Quando o Brasil foi escolhido pra sediar as Olímpíadas e a Copa do Mundo, confesso que fiquei indignada. Não lembro de ter encontrado ninguém desta forma. Grande parte das pessoas estava apenas pensando em como isso seria bom.
Eu tenho raiva do Lula como presidente, não como pessoa.
Porque o discurso dele antes de assumir o poder sempre foi pelo povo, porque se dizia povo.
Era como se representasse uma luz no final do túnel.

Lembro dele criticando a política do FHC, debochando das viagens que ele fazia.
Domingo ouvindo sua entrevista no Canal Livre, ao ser questionado sobre isso, afirmou que o país não se desenvolve se ele não for lá exigir.
Pode até ser... mas aonde ele está hoje enquanto pessoas morrem soterradas?

Depois vi ele falando do avião presidencial, do quanto foi necessário trocá-lo.
Pode até ser... mas e quanto a necessidade de espalhar pelo nosso território habitações populares decentes pra este povo?

Dói meu coração, estraga meu dia, pensar que estamos aqui sentados em frente a um monitor, pensando em nossas futilidades e necessidades enquanto há famílias destroçadas, que perderam tudo.
Eu não sou presidente, mas se fosse seria bem diferente.

Não é justo que um país aonde faltem médicos em postos (isso quando tem posto); que não tem cadeira e mesa na sala de aula; aonde doentes de cancer precisam se deslocar mais de 400km pra fazer seu tratamento; aonde mães vão pra beira do asfalto com seus filhos pra tapar buraco na estrada a fim de ganhar uns centavos; num país aonde tantos passam fome; morem em morros, quando não nas ruas; aonde o crack avança pela sociedade; aonde há presídios que são verdadeiras fábricas de bandidos... enfim, são tantas e tantas incoerências... como pode pensarmos em Olimpíadas?

Como podemos ficar contentes com a Copa do Mundo?

Como entender que os deputados ganhem ajuda de custo pra moradia?

E o pior... saber que doamos 15 milhões de dólares pro Haiti apenas porque precisamos ficar "bem na foto" com a comunidade mundial???

Quantas casas populares não poderiam ser feitas?

Dá casa, reformula a educação que está uma vergonha, ofereça um bom serviço de saúde, faça alguns cursos técnicos pra este povo, crie algumas casas de recuperção pros viciados, ofereça um pouco de lazer pros mais carentes.

O que vai ser do nosso país se continuarmos assim?
Uma fábrica de ilusões?

O que as pessoas pensam, que só mora no morro em encostas quem quer? Tem opção?

Tem tanta gente no país que ganha bem, que gasta mais de 40 mil reais numa bolsa de grife, que compra champgne de mais de 20 mil a garrafa... sim, pessoas que chegaram aonde chegaram porque trabalharam, ou não... há casos e casos.
Só que não dá pra ter consciência que precisamos repartir um pouco com os mais necessitados?
Que bom se cada um destes abonados adotassem uma família e dispusesse educação de qualidade e cursos técnicos.
Porque é fácil julgar o povão. Difícil é se colocar na posição deles.

Peço, pra quem ler este meu desbafo que certamente não mudará em nada a vida de ninguém, que reflita muito nas próximas eleições.
Não vote em quem não mudará nada.
Assista aos programas, vá atrás de informações, não se deixe enganar.

As pessoas votam naquele que se sai melhor na TV, eu vi isso acontecer aqui em Paranaguá e nós colocamos a liga do mal no poder.
Enquanto uma amiga teve que pagar pra fazer um teste de gravidez porque não tinha tubo de ensaio no postinho, nosso querido prefeito e sua assessoria enchem os jornais, a TV, pontos de ônibus e até os próprios ônibus com a propaganda oficial.
Quantos milhões mesmo???

Quando eu estava lá girava em torno de quase 1 milhão de reais, mas hoje deve passar disso, afinal, ano eleitoral, mulher candidata...

E o povo?

Eu me pergunto, com o perdão da palavra: MAS COMO ESTES FILHOS DE UMA PUTA DESGRAÇADOS DORMEM?

Só nós podemos mudar esta história, mas o povo tem que abrir os olhos.

Dilma, Serra... são farinhas do mesmo saco.

Preste atenção no que diz a Marina do PV.
Ela sim poderá fazer a diferença, é humana, justa, íntegra.

Pense nisso.

terça-feira, 6 de abril de 2010

Não se importe...

Eu sei que tenho um temperamento difícil porque não sei ser tolerante, logo, me falta paciência.
Muitas vezes desisto de me relacionar com algumas pessoas porque enxergo nelas os defeitos que muitos não conseguem ver. É um sexto sentido sim. Não há cortina de fumaça que eu não consiga transpor.
Toda a experiência de vida que tenho e sei que ainda irei adquirir, todo o conhecimento, tudo o que me tornou ser como sou; as dores, os medos, os desafios, as alegrias, as vitórias e minhas derrotas, nada teria significado se eu não usasse na minha vida prática.
Não perco mais tempo com gente fútil, mesquinha, gente viciada, gente burra, gente falsa, gente mentirosa.
Nem por questões financeiras, já que sou vendedora autônoma.

De que vale evoluir e continuar com os mesmos "vampiros" em volta?

Não sou Deus pra salvar ninguém, nem me sinto mais a psicóloga que na adolescência tentava ajudar as "amiguinhas".

O que basta na vida de todos são duas coisas: a família e a saúde. Se estas duas bases estiverem firmes certamente terá forças e disposição pra correr atrás do resto.
Sem família nada importa. Minha família hoje é bem resumida: minha filha e meu marido.
Graças à Deus tenho alguns primos que eu adoro.
Só que cada um tem sua família, seus problemas e infelizmente não fazem parte do dia-a-dia.
Agora com a minha família sei que posso contar a qualquer instante.

Mesmo com alguns problemas de relacionamento sei que vivemos felizes e temos paz. Faço minha função de mãe e esposa.
Consigo gerenciar minha casa, minhas contas e de certa forma vivemos tranquilamente.

Sei que existem pessoas que simplesmente não me suportam.
Sei que me acham meio doida.
Acho ótimo.
São seres imaturos, quase desprezíveis e se não gostam de mim é porque sou diferentes deles.
Quando a gente se destaca é natural que uma legião de pessoas inferiores tornem-se seus inimigos.

Inimigo, palavra forte não? Melhor substituir por desafetos.

São pessoas que vivem mais de aparência do que conseguem ser realmente felizes. Postam fotos lindas no Orkut, fazem caras e bocas, beijam-se a abraçam-se, uma encenação perfeita para os tolos.
Não pra mim.
Sei que se virarem as costas são logo apunhaladas.
Precisam beber demais pra se sentirem "felizes", eu sei... já tive esta fase.
Pensar que passamos um feriado inteiro sem colocarmos uma gota de cerveja na boca... e como rimos e nos divertimos...

Por isso não me importo que falem de mim, que pensem o que quiserem.
Deus me dá provas de que estou no caminho certo.
Não é por acaso que acabo sabendo de alguns detalhes podres da vida destes seres.
Por isso prefiro mesmo me afastar.

Tenho minhas amigas, meus amigos, a grande maioria há mais de 20 anos... mas tenho alguns que vou conhecendo na caminhada e incorporando à vida.
Sou fácil de fazer amizade do mesmo jeito que sou fácil pra me desiludir.
Não gosto de gente falsa, nem de pessoas que necessitam dizer quanto gastaram numa máquina de lavar roupas, num tênis ou que precisam me mostrar quantos perfumes importados existem em sua pia.
A gente não leva isso quando parte daqui.
Isso também não me impressiona porque não é o que almejo.

Sinceramente queria ser mais tolerante, não criar tantas inimizades, nem dar motivos pra que falassem mal de mim.
Pedi isso pra Deus neste feriado de reflexão.
Vou tentar não me irritar, ser mais misericordiosa, entender que cada um tem seu tempo para evoluir.

É que eu penso, logo existo...
Sempre fui assim, minha mente é um turbilhão de idéias.
Por isso sei que alcançarei minha meta de entender que nem todos são como eu.
Também sei que um dia aprenderei que devo apenas me afastar quando algo me desgrada.
Sem me indignar, sem me estressar.

A gente tem que ter humildade para reconhecer nossos pontos fracos, sei que nem mesmo a doença mudou certos comportamentos em mim, mas preciso me policiar para alcançar a serenidade.

E como tudo o que quero acabo conseguindo...
A