quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Adeus 2009! Que venha 2010!

Pois é, estou vendo as retrospectivas na televisão desde ontem... amanhã a essas horas não tenho certeza aonde estarei, mas com certeza estarei feliz com meu amor e com amigos verdadeiros... só vai faltar minha filha, que estará na Ilha do Mel...

O ser humano precisa de datas. Precisa de números.
Números que definem as horas, a quantidade, as distâncias, os dias... precisamos contar.
Contamos quanto de dinheiro precisaremos, quantos dias nos faltam para isso ou para aquilo.
Se pararmos pra pensarmos bem friamente, a não ser com base monetária - afinal o escambo já era injusto - será que precisava tudo isso?

O que acontece é que a gente entra na onda.
Imagine você morando no meio do mato, sem acesso à informação, e alguém dissesse que amanhã acabará este ano e que no dia seguinte começará um novo ano.

Tenho certeza que talvez pensasse: "tá e daí"?

E daí? O que vai mudar?

Só que a gente entra nesta onda de "reveillon", aí sente-se OBRIGADO a fazer algo especial.
Não dá pra apenas ficar deitado na sua cama com seu marido assistindo tv até dormir. Programinha perfeito pra uma quinta.

Além de querer estar fazendo algo que não faz diariamente, tem os outros probleminhas, aposto que já pensou "com que roupa eu vou"?
Talvez tenha comprado algo novo. Ou faz como eu que chegou aquele ponto de ter o guarda-roupas tão entulhado que decidiu ser mais prática e USAR suas roupas... coisa que nem sempre faz.
Ou se tiver a sorte de ter uma filha com 18 anos e puder saquear seu armário.
Ficar bonita não é difícil...basta fazer um esforço.

Aí tem toda uma atmosfera conspirando pra que tenha um ano novo repleto de alegria. A cor da roupa é importante.
Pelo menos a parte íntima precisa estar com algo novo...
Teve um ano que passei de preto, mas não foi proposital, eu só tinha esta cor no armário.
Minha mãe e meu pai O-D-I-A-V-A-M!!!
Realmente não tive um ano muito alegre depois disto, só que acho que devia-se mais ao fato de eu ser uma "aborrescente"...

Enfim... fim de ano.

Hoje chorei um pouco com saudades. Pensar que mais um ano sem eles se foi... e outro virá.
A única coisa que sabemos da vida é que a morte é certa. Não sabemos quando, mas ela virá.

Papinho deprê né, mas esta época é pra pensarmos em tudo, colocar pra fora angústias, saudades, aflições... aí começamos o ano com pé direito, com a alma purificada.
Lembro de um ano em que as pessoas que estavam conosco entraram no mar após a meia noite.
Cada um cada um, mas será que precisa tanto???

Não pulo 7 ondas, nem levo oferendas, aliás, será que não dá pra notar que o mar devolve 90% do que é jogado???
Aí no dia seguinte as pessoas querem começar com uma caminhada descalça e a areia está cheia de rosas, velas, garrafas...e bêbados!
Tem gente que começa o ano assim... com a boca cheia de areia, nem lembrarm como chegaram ali.
Claro, a roupa é nova, comeu lentilha, blá, blá, blá...

É de se lamentar mesmo.

Eu tive um ano bom.
Em alguns aspectos evoluí muito.
Larguei alguns vícios.
Aprendi algumas coisas sobre mim.
Muito bom poder conhecer-se um pouquinho a cada ano.
Sei que tenho muito o que melhorar, porque quero sempre o melhor de mim.
Preciso controlar o fato de que nem sempre os outros fazem o que esperamos.
Quero aprender a lidar com rejeições, decepções, alguém consegue aliás?

Ganhei alguns desafetos graças a este meu jeitinho de rebater toda ofensa. Ou de não admitir que fiquem me devendo.
E como tem gente que me deve.
Só que estou trabalhando minha mente para deixar nas mãos de Deus, porque tem mais ELE pra me dar do que estes "diabos" pra me tomarem.
A vida desta gente só anda pra trás.

Em compensação, este ano foi repleto de novas amigas.
Coisa boa criar laços com pessoas tão bacanas.
Melhor ainda quando conseguimos recuperar uma boa amizade que achávamos perdida.
Depois de dez anos tenho de volta ao meu convívio uma das amigas mais queridas da minha adolescência.
Brigamos por causa de uma batata sauté, orgulhosíssimas deixamos que 10 anos se passassem.
Quis o destino que minha filha(que deveria ter sido sua afilhada) nos reaproximasse.
Na verdade a relaçao estava desgastada por vários outros fatos.

Talvez pra você o ano de 2009 não tenha sido tão bom, tudo depende das perdas que tivemos.
Teve um ano que perdi a saúde, em outro a mãe e por último meu pai.
Este ano perdi a loja, mas ganhei muito mais neste aspecto.
Acredito que a loja foi o meio que a vida usou pra me apresentar a Carla e ao Auli.

E eis que estou com a vida que sempre quis, sem horários, sem rotina, sem chefes.

Por isso, mesmo que você tenha esta consciência que na real isso tudo de festas, fogos, roupas, simpatias, tudo é uma alugação, pois nada realmente muda... acredite então que é um marco, a partir do dia 1º você vai agir de uma forma a se tornar melhor, a ser mais feliz.
Você vai procurar ter atitudes pra que sua vida tenha mais qualidade.
Vai partir de você, não do outro, que façamos um mundo melhor.

Acredite que todos nascemos pra felicidade, por mais tortuoso que seja o caminho!

Que Deus nos abençoe, que nos proteja e se puder deixa eu ganhar a Mega da Virada... prometo ajudar muita gente! rsrsrsrsrsrs

FELIZ 2010!

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

E o Natal está chegando... ui ui ui...

Não é que esteja revoltada porque não tenho mais meus pais comigo, seria bem simples se fosse apenas isso.
Já disse que sinto saudades, mas me conformei com a situação, principalmente porque sei que estão num lugar muito melhor do que este mundo em que vivemos.

Fico chateada porque não existe o verdadeiro espírito de Natal entre as pessoas.
Nem em mim mesma...

O Natal não é simplesmente mandar meia dúzia de cartões, como fiz este ano por sinal. Tudo bem que é um bom pretexto pra dizer um "eu te amo" ou simplesmente demonstrar gratidão.

As pessoas realmente ficam felizes quando são lembradas... pena que a maioria não saiba retribuir, mas como não faço nada esperando algo em troca...

Acho que todo mundo fica mais sensível, vê a vida com um olhar diferente, mais humano talvez.
Só que a grande maioria está pensando apenas nos presentes, na roupa que usará na ceia, na cor do esmalte, na quantidade de comida da ceia.
Bem, eu só me preocupo com a roupa e o esmalte porque quero sair depois da ceia...

Pensa bem, não é tudo uma grande hipocrisia? Assim como Ano Novo... o que muda além do calendário? Acabam-se os problemas por um acaso?
É como o Carnaval? Pra que tanta explosão de alegria? Não parece que todo mundo ganhou na Mega Sena?

Como somos toscos e idiotas. Confusos e hipócritas.
Todos nós.

Eu faço parte das pessoas que detestam Carnaval e se sentem deprimidas na queima de fogos do Reveillon... me pergunto sempre pra que?
Pra que tudo isso?

Sei que pareço meio amarga, mas não sou, sou apenas cética.
Não entro nesta onda demagógica...
Não quero ser boa e bacana apenas no Natal, como muitos são.
Quero estar presente sempre na vida dos que amo.
Tento pelo menos.

Acho uma palhaçada tão grande pessoas que são egoístas, fúteis e vazias enchendo a mesa de comidas caras, gastando os "tubos" pra dar presentes que muitas vezes serão esquecidos na mesma noite... quantas crianças não chegam a ganhar mais de dez brinquedos numa mesma noite?
E quantas precisam se contentar com uma bola de 1,99? E muitas vezes sentem-se e são mais felizes que a criança rica.

Seria bom se todos procurassem ao menos fazer o Natal de uma criança pobre mais feliz.
É tão fácil fazer nascer o brilho de alegria nos olhos dos baixinhos...

Só que pergunte pra maioria dos privilegiados financeiramente se compraram ao menos um panetone para dar à uma família carente?
Se todos se unissem... aí sim o Natal teria alcançado o seu propósito.

Bem, sem entrar em detalhes, mas eu acredito que consegui dentro das minhas possibilidades fazer dois anjinhos mais felizes...

Deus não gosta deste Natal consumista.

Nem eu.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Falta uma semana para o Natal...

O que é o Natal pra você?

Comunhão? Um dia especial? Família reunida? Comidinhas diferentes? Confraternização... amor?
Pra mim era isso tudo.
Não tinha luxo na nossa casa, mas nunca faltou nada.

Só que meus pais se foram... e nesta data me sinto totalmente deslocada.
Não é bom aqui, nem na casa dos outros.
Não consigo me encaixar em nenhum local.
Acho tudo tão nada haver, tão sem graça.

Perdeu o sentido.

Antes adorava esta data, escolhia uma roupa bonita, ajudava minha mãe com preparativos... aquele cheiro de peru pela casa... hummmm...
E todo o ano a mesma dúvida: peru ou chester?

Como era bom...

Hoje é só uma obrigação quase que social.

Um monte de gente estranha que não consegue perceber a dor que sinto nesta data.

Se eu pudesse... tomava um sonífero dia 24 e acordava dia 25...

A única coisa boa é que tem uma festa maneira pra ir a partir da 1h... só.