terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Breve balanço de 2010






Quando o ano de 2009 terminou, lembro que agradeci por ter conseguido terminar um ano sem doença e sem mortes.
Estava meio chocada ainda com minha fase negra.

Parece que finalmente os caminhos se abriram, consigo enxergar a luz no fim do túnel.
De repente me encontrei profissionalmente em algo que jamais havia pensado.
Porque a vida nos leva para direções inimagináveis, basta o universo conspirar a nosso favor e nós, obviamente, estarmos atentos aos sinais.

2010 foi um ano bom que deixará saudades.

Tem coisas que eu gostaria que não tivessem acontecido, mas nem tudo dependeu apenas de mim e da minha boa vontade.

O que importa é que estou atenta para não cometer erros, injustiças, nem me deixar levar por sentimentos ruins que por ventura me acometem. Tento, mas estou longe de ser perfeita.

A única pessoa que pode me atrapalhar de verdade sou eu. NÓS nos destruímos, NÓS fazemos gol contra.
Não acontece só comigo.

Pelo menos este ano posso dizer que o saldo foi positivo.
Minha filha começou a faculdade, mudou de emprego para um lugar muito melhor, revelou-se uma vendedora de 1ª, meu marido está sendo reconhecido cada vez mais, meu genro está bem no emprego, eu passei no IBGE, fui chamada para assumir uma vaga efetiva na prefeitura, aumentei o numero de clientes e me tornei promotora.

Os reveses que tivemos vejo como momentos necessários para o nosso crescimento, mas a minha fé em Deus é inabalável, então, se trabalho tanto e honestamente sei que os frutos virão.

Ganhei a Sofia como afilhada (obrigada Rê), ganhei a Lynx... e estou a alguns meses de terminar definitivamente meu tratamento...

Pensar que dentro de 3 dias este ano acaba.
Foi rápido e foi bom demais!

Confio que em 2011 colherei os primeiros frutos de 2010.

Que seja de paz, amor e mais justiça para todos!

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Para pensar em 2011...

Estou fazendo uma lista com resoluções para o ano que começa. Sempre achei isso uma besteira, porque na realidade muda o calendário, mas os problemas continuam ali.
Só que a gente não deve ser assim tão racional porque a vida é feita de sonhos, objetivos, ideais.

Psicologicamente falando, precisamos de uma data, de começo, meio e fim.

Hoje presenciei uma cena no banco que gerou mais um ponto para ser trabalhado em 2011.
Quero externar minha indignação com a injustiça, não ser mais uma espectadora dos absurdos que vivenciamos diariamente.

Nós, funcionários públicos, temos o "privilégio" de termos uma miniagência, com numerosos "dois" caixas e mais "três" mesas de atendimento ao correntista (endividados em sua grande maioria) e cerca de 8 lugares para nos sentarmos. Pelo menos tem acessibilidade, inclusive ao BWC.

Uma conhecida que faz tratamento contra o câncer há anos, estava parada na porta giratória pedindo encarecidamente para que o segurança a deixasse entrar e sentar-se, pois tinha feito quimioterapia e não sentia-se bem para aguardar em pé do lado de fora, com este calor básico ainda.
Eu ia sair e o ouvi dizendo que não tinha lugar e que nada poderia fazer.

Olhei e vi um lugar.

Pensando que talvez o rapaz com quem eu até simpatizava não tinha observado, avisei-o. Ele veio com um papo que se ela tivesse com uma carteirinha... e não fez nada.

Falei que a lei a protegia, que iria denunciar.
Será que numa cidade como a nossa, nem tão populosa, a pessoa, no caso uma senhora, debilitada visivelmente, com um chapéu pra esconder as falhas de cabelo provocada pelas sessões, iria mentir perante tantos colegas?
Porque ali não é uma agência comum. Ali só vão funcionários públicos.

Certamente esta criatura não sabe o que é ter um câncer maldito corroendo seu corpo.
O que eu passei, passou... mas no caso dela, vai e volta.
Isto é o maior temor de quem já se tratou.

Coloquei-me no lugar dela.

Já é uma b**** estar sem saúde, ter que sair à pé neste calor para receber uma merreca de salário e ainda por cima topar com um desgraçado, infeliz que acha que pra sentar você seria capaz de tudo, até de se dizer doente.

O que será que aprendem os seguranças?
A nos dar insegurança já sabemos,mas e ao que mais?
Bom senso para alguns é matéria para aprender dentro da sala de aula.
O cara foi incapaz de pensar por um minuto "e se for verdade"?

A gente chega no banco e não é visto como um cliente, mas como possível assaltante.

Só que neste caso esbarrou não só no péssimo treinamento, faltou caridade, amor ao próximo, SOLIDARIEDADE.

Fiquei muito abalada porque sei bem como a gente vê o mundo sem cores quando temos esta doença, parece que nada nos pertence mais... e quando algo dá errado toma dimensões enorme em nossos corações.

Não vou mais ficar quieta.
Até hoje penso no cara que pegou um cachorro no trapiche da Ilha do Mel e jogou na água ao lado da barca que estacionava.
Fez isso para o filho... e dava risada. Vi muita gente indignada mas ninguém tinha visto quem foi o monstro.

Só me calei porque o Hélio não gosta do que chama de "barraco".

...mas até hoje penso que deveria ter falado.

O cachorro não morreu.

Por isso em 2011 sempre que eu puder fazer algo para ajudar alguém contra alguma injustiça eu o farei.


Não vamos mais deixar que o errado prevaleça.

sábado, 25 de dezembro de 2010

25 de dezembro... qual é o verdadeiro significado pra você?

Eu sempre gostei do Natal, não o achava triste, pelo contrário...sempre foi o momento de estar com a família, celebrar, agradecer.
Na infância lembro direitinho da minha sensação de menina que acreditava no Papai Noel. Que era ele que dava um jeito e deixava exatamente o que eu pedi na árvore... e um pouco mais até... como era boa aluna achava que era por isso.
Claro que tive minha fase rebelde e pensava que preferia uma família maior, que a gente se desse bem de verdade... porque sempre tive a figura desagregadora dentro de casa...



...mas sempre curti. Por todo o clima... e especialmente por ser mais um momento de estar com meus pais.
Hoje, fiz a sobremesa que meu pai amava... pavê de pêssego... (pessego tem acento???)...também foi a primeira vez que preparei uma ceia que eles não estivessem incluídos...

Eu amo minha vida mas reconheço que ela não é um docinho não.

Não há dor que sempre dure.
Só que não é chegado o tempo.


(vou ver um documentário do renato russo)

feliz natal

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Natal...

Tá chegando o Natal. Para quem já perdeu algum ente querido sabe que aquela ALEGRIA de outrora já não pode mais existir.
Sei que isso vai mudando quando as novas gerações forem chegando.
Tudo ao seu tempo.

Este ano farei ceia, jantaremos nós quatro e certamente será ótimo porque conseguimos ter harmonia, paz e união, não só na noite de Natal.

E é engraçado como as pessoas mudam, como o clima muda, tudo tem um brilho. Tudo bem, o brilho das propagandas e dos anúncios para que sintamos a obrigação de comprar um presentinho.
Porque eu duvido que exista alguém que consiga não comprar absolutamente nada no Natal, apenas por opção.
Por pobreza sabemos que há muitos.

Nem que seja para comprar 10 lembrancinhas de 10 reais. Se souber escolher com certeza pode até agradar.
O importante é você entrar na onda e consumir.
Porque Natal é tempo de comprar, comprar... nem que seja para você.
Ou você não liga de ir a confraternização com a mesma roupa de todos os dias? Só quando a gente não POOOOOODEEEEE MEEEEEEEEESSSSMO... porque mulher é um bichinho gastador... admito.


Só que nesta época, até aquele namorado mais mão de vaca compra algo pra sua namorada. Porque imagine você não dar nada pra ela. É fim de namoro.

Todo mundo quer dar alguma coisa para alguém. Nem que não possa. A gente dá um jeito e dá.

As pessoas também ficam mais solidárias, doam mais, visitam mais creches, estão com uma carinha mais simpática.
Menos eu. Estou sempre com pressa, quando as coisas não fluem já me irrito.
A diferença é que hoje isso não passa de 5 minutos...logo já penso em como é bom viver...

Que bom se a gente fosse sempre assim o ano inteiro... com esta disposição para o bem, e principalmente, se tivéssemos sempre um salário a mais no fim do mês...


HOHOHOHOHOHOHOHOHOHOHOHO!


FELIZ NATAL! SÓ NÃO SE EMPANTURREM TANTO E NEM BEBAM DEMAIS!

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

O tempo...

Não tenho encontrado tempo para escrever neste blog, pois meu tempo na vida real me consome.
De repente aprendi que o tempo que temos é para ser usado.
De preferência, BEM usado.

Há coisas para as quais não tenho conseguido nada de tempo e que me trazem imenso prazer.
Uma delas é escrever estes textos. Já decidi que preciso comprar um caderno pra eu não perder minhas idéias e impressões dentro do meu cérebro, já que sentar em frente a esta telinha tem ficado meio difícil.

Quero tempo pra passear com a Gabi, uma "cã" idosa que necessita se exercitar.
Minha "goda","negona". Que eu amo.
Preciso lhe dar qualidade de vida.

Aí além de tempo falta boa vontade,pois se eu acordar 30 minutos mais cedo caminho tranquilamente com ela diariamente. A gente não consegue sair do nível máximo da preguiça e zerar.

Ainda tenho um nível mínimo de preguicinha.

Segunda é o dia que meu dou ao luxo de parar. Quer dizer, não posso faltar ao emprego mas posso dar um tempo no trabalho.

Quando a gente está na praia, como eu estive novamente este ultimo final de semana, o tempo simplesmente voa... agora, se você quer que o o dia acabe logo aí que ele se arrasta...

O que é bom dura pouco.

Só sei que o tempo não é igual pra todos.
Uns acham que o ano passou rápido, outros nem tanto.
Tem gente que pensa que 1 mês de férias é muito, para outros é o mínimo.

O tempo que passei com meus pais foi pouco, comparado ao tempo que já convivi com estranhos dentro de escritórios.

Quando lembro da minha filha bebê, olho pra ela já uma mulher, vem aquela nostalgia... "parece que foi ontem"...

Pensar que dia 21 de fevereiro encerra-se meu tratamento depois de 5 anos... as lições e as marcas que a doença deixou em mim parecem ainda estarem bem abertas... de uma forma totalmente imprevisível, pois sei que eu tinha que passar por isso.

Porque quanto mais o tempo passa, mais eu posso afirmar: EU AMO MINHA VIDA.

sábado, 30 de outubro de 2010

Música...

As palavras ditas com som e poesia são sempre mais bonitas.
Geralmente elas nos tocam por dentro da alma, nos fazem vibrar, nos trazem amor, saudade, nos trazem lágrimas... servem então pra que a gente torça mais um pouquinho o coração para que escoe a saudade represada...

Tem músicas que nos vem como respostas.

Outras servem para abstrairmos todo o peso da rotina...

Sempre gostei de ouvir, rock, metal, MPB, rap, blues... e sempre alto.
No emprego eu ouço Maria Gadu, Legião, Cranberries... no carro Iron Maiden, Janis, Led Zepellin.

Casei com um músico e com ele aprendi a adorar reggae, principalmente o que ele toca...

A música faz parte da minha vida.


Mesmo que não goste dos artistas, ouça estas duas músicas que expõe meus sentimentos...e já que leu este texto é porque algum interesse devo causar em você.



Pai...





Mãe...



sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Religião e política

Dois assuntos dos quais procuro fugir para evitar discussões.
Duas coisas que semeiam discórdia no mundo todo.

Estamos a dois dias de mais uma eleição.
Sinceramente, se eu pudesse me abster, o faria. Porque quando ouço todas as acusações trocadas chego a conclusão de que todos são farinhas do mesmo saco, só muda a sigla, no caso, o partido.
Nenhum dos dois está realmente preocupado com o povo, aliás, alguém sabe aonde existe um político preocupado com o povo DE VERDADE?
Eu ainda estou pagando pra ver.
Pagando caro.
Fazem milhões de promessas, ignoram totalmente algo chamado de "previsão orçamentária", depois que assumem a primeira coisa que dizem é que infelizmente não haverá verba pra cumprir o que prometeram... e nós engolimos o sapo.
O cara que quer mudar o país precisa ter muita coragem pra quebrar o sistema, romper este círculo vicioso de desvio de verbas, fechar os ralos por onde o nosso rico "dinheirinho" suado escoa.
Não me conformo com um país tão rico e com tanta gente ferrada e sem assistência.

Gente que não tem oportunidade simplesmente porque não lhes oferecem soluções.
Porque pelo que pagamos deveríamos ter hospitais públicos de primeira linha, estradas perfeitas sem pedágio (existe maior roubo do que nos cobrarem por algo que já pagamos?)...

O próximo presidente não poderia ter compromisso com ninguém e deveria preocupar-se só em melhorar a aplicação dos recursos, esquecendo-se de de publicidade e outros gastos totalmente supérfulos... como viagens, festas, cotas de passagem, entre outras besteiras.

Queria que fosse uma pessoa digna, honesta, incorruptível (e tem heim!), que não tivesse medo de fazer uma reforma na educação pra tornar a massa pensante...

Eles tem medo que o povo aprenda a discernir.

Daí ouço uma notícia que o Papa Bento pediu pros católicos não votarem em quem defende o aborto, aí uma candidata aparece na sequencia desdizendo que disse antes.
Religião... será algo bom ou apenas mais uma maneira de manipulação?

Hoje uma pessoa falou na minha frente: "se eu não tenho minha religião o que seria de mim"?
É aquele tipo de papo que não se deve entrar, pois quando pensamos diferente chegamos até a ofender.

Eu acredito em Deus.
Deus pra mim foi um cara que veio a Terra e deixou um legado incrível de bondade, caridade e fé. Ele nos mostrou como deveríamos viver, qual o melhor caminho a seguirmos.
Pense que bacana se ninguém matasse, ninguém roubasse... se seguissemos os mandamentos e pronto.
Só que nós humanos somos iguais na forma apenas, bem diferentes no conteúdo.

Não gosto desta história das pessoas seguirem sua religião e julgarem mal todos aqueles que não o fazem.
Os evangélicos "debocham" dos católicos porque estes adoram imagens.
Os católicos por sua vez também não gostam da gritaria nos templos, da pregação dos pastores, dizem que Deus não é surdo.
Ambos acreditam piamente que todos os ateus são pessoas infelizes, tristes e amaldiçoadas...
assim como os homossexuais!

Será que Deus do alto da sua sabedoria acha que os palestinos estão corretos ou será que torce pros judeus?
E nas Copas do Mundo? Torceria sempre pro Brasil?

...mas e a frase "somos todos irmãos" aonde fica?

Será que serei irmã apenas se não beber, se condenar os homossexuais, o aborto e blá blá blá?
E aquele que nunca usou droga na vida, mas é frio, distante e insensível com a família, será que tem mais valor do que um viciado (um dia ainda falarei sobre drogas) que é amoroso com seus pais, que os cuida. Ou você acha que os viciados não conseguem ter uma vida igual a de qualquer um?

Porque me irrita profundamente perceber como as pessoas vivem uma contradição. Enfiam-se em seus templos, em suas igrejas, fazem seus grupinhos, mas não conseguem levar o amor de Deus pro seu dia-a-dia.
Julgam, julgam, julgam...
De repente, podem praticar a caridade mas são incapazes de sentir isso se o outro tiver convicções totalmente diferente das suas .

Notem que a maioria vive sua religião como se torcesse pro Palmeiras ou pro Santos.

Vou dizer algo que pode chocar, mas nunca consegui ler a Bíblia. Acho bem chatinho...
As pessoas interpretam do jeito que querem.
A Biblia nos foi apresentada pela Igreja Católica que detinha o saber da escrita pra fazer o que os políticos fazem até hoje: nos manter burros e mal informados pra que sejamos facilmente manipulados.
Logo, quem garante que devo acreditar que tudo que ali está escrito é ipsis literis o que realmente aconteceu.

Pra mim o pouco que li me parece um livro de ficção.

E tudo tem uma explicação científica, mas cada um acredita no que mais lhe convém.

Eu penso que Deus é um cara legal, que nos compreende e sabe que as coisas não são fáceis, mas ele espera que nós mesmos possamos nos ajudar mutuamente.
Duvido que ele aprove uma pessoa que vai 3 vezes ao culto, ora 3, 4 vezes ao dia, mas que é insensível ao sofrimento alheio, faz fofoca, intriga, mente, manipula, corrompe...

Meu pai disse em seu último comentário que o amor como palavra é muito bonito, mas que se nós, humanidade, não soubermos aplicar no dia-a-dia com a caridade, isso de nada tem valor.
Na verdade ele estava cansado de fiéis hipócritas e falsos líderes religiosos.

Religião e política, dois focos de conflito eminente...

Esta é a minha opinião e respeito totalmente quem pensa o contrário porque creio que todos somos livres, minha verdade não é maior que a sua.

sábado, 9 de outubro de 2010

Quando a vida nos dá lições...

Estou passando pela experiência de realizar o censo.
Vou de casa em casa com aquele computador de mão fazendo perguntas... "quantos banheiros, quantas pessoas, quanto ganham"...
Não estou lá porque quis. Na verdade, tentei o cargo mais alto deste concurso, mas sabe como é, a gente depois de alguns anos esquece da matéria, não havia estudado nada... mesmo sendo segundo grau, não consegui a colocação ideal, eram poucas vagas, 18 se não me engano, fiquei entre os 30.
Aí tentei pra recenseador e cá estou.

Uma experiência única e riquíssima.
Faço o trabalho com boa vontade, explico com paciência a importância do censo e torço para que os malditos governantes melhorem a vida da população.
Não tenho pressa e com isso, vou colecionando história de vida de pessoas simples.

Primeiro fui pra uma periferia, bairro conhecido como lixão. Quando entrei com o Hélio a primeira vez pra reconhecer o setor, confesso que senti uma ponta de arrependimento.
Veio aquele pensamento: "aonde fui amarrar meu bode"...
É um lugar horrível, cheio de gente, cachorro, lixo... miséria... valetas a céu aberto.

A cultura do lixo é uma coisa muito louca. Mesmo assim, a maioria das pessoas é feliz com o pouco que tem. Conheci mães da minha idade com mais de 5 filhos, cabelos brancos... fiz algumas pessoas chorarem por causa da pergunta da mortalidade, com isso fui conhecendo mães inconformadas com a partida precoce de um filho... viúvas saudosas...
Lá é outro mundo.
Há muitos analfabetos, gente que vive com menos de 5 reais por dia... a polícia nunca aparece... só há uma creche...
Bolsa-família é ilusão. Poucos os que conseguem...

Fui bem tratada por todos. Explicava que minha função era fazer as perguntas conforme aparecia no PDA e não tinha problema.

Depois fui pra um setor rico. Posso dizer que em uma quadra o que as pessoas ganhavam era superior a soma de rendimentos de todos os moradores do lixão.
Fui tratada com desconfiança pelos ricos. Com um pouco de mal-humor também.
Deu pra sentir no olhar de algumas toda a tristeza.
Sei de algumas histórias ali, sei que muitos tem uma vida bela e bonita da porta da rua pra fora, mas são incapazes de se sentirem felizes com tudo o que tem.

O dinheiro não traz felicidade, só camufla.

Posso dizer também que quanto mais conhecimento alguns tem, mais ignorantes se tornam.

Agora estou terminando um setor que se Deus quiser em breve será meu local de moradia.
Fica há 15 minutos do centro da cidade, é uma área quase rural, aonde passarinhos amarelos e beija-flores azuis cruzam nosso caminho a todo instante.
As pessoas são simpáticas, gentis, vivem num local aonde as janelas não precisam ser fechadas pra evitar ladrões.

Cansei deste agito da cidade, olha que aqui não é uma cidade grande.

domingo, 26 de setembro de 2010

1 semana... pra nada mudar!

No próximo domingo vamos às urnas, até por que não temos escolha.
Tem uns que agem como se fosse uma final de campeonato brasileiro, como se o resultado fosse um jogo.

Uma pena que o povo não saiba escolher.
Não tenho dúvida de que graças aos projetos de assistencialismo barato o povo manterá este governo no poder.

Preparem-se para o MST reinar soberano, invadindo e destruindo propriedades com o aval do governo federal.

Depois não reclamem para as câmeras de televisão quando seus entes queridos padecerem em calçadas sujas por falta de atendimento em hospitais precários nos subúrbios da vida.

O povo tinha que entender que aqueles que mais ouvimos falar, são os que mais gastam com marketing e publicidade.
Com estes candidatos o dinheiro rola solto, afinal, são tantos acordos e cargos negociados, empresários investindo 1 milhão pra lucrar 300 milhões.
Fazem aquelas propagandas emocionantes, com musicas pobres em rimas mais fáceis de serem assimiladas.

Eu queria um governante que me passasse credibilidade.

Ainda procuro...

domingo, 19 de setembro de 2010

A campanha está nas ruas... fuuuuuuujaaaaa!

Tenho percebido algo diferente nesta eleição.
Não há mais tantas casas ostentando orgulhosamente o nome dos seus escolhidos, nem tantos carros com adesivos.
Parece que a ficha está caindo. A desilusão é geral.
Quem vejo com propaganda política declarada são pessoas ligadas aos candidatos, sejam os que tem um cargo comissionado e não tem escolha senão tornar-se "cabo eleitoral forçado", sejam outros que tem algum tipo de ligação com este ou aquele candidato.

Percebo que como sempre a candidata que tem a máquina do governo na mão é a que mais tem propaganda nas ruas.
Aparece sorrindo, bem diferente do que é no dia a dia.
Só que isso não é dela apenas.
Quantos candidatos carrancudos estão na televisão com um largo sorriso, abraçando crianças, catadores de lixo e qualquer um que apareça pela frente?

Lembro da campanha pra governador em 2006. O Roberto Requião era só simpatia, levava tudo na esportiva, falava muito de paz e de amor.
Bastou reeleger-se (quase perdendo pro Osmar, diga-se de passagem) para no dia seguinte, diante de jornalistas incrédulos, deixar cair a máscara em frente as câmeras e esculhambar com um assessor porque não queria determinadas divisórias em um prédio recém-concluído.

Voltou a lançar a todos o olhar de quem quer que lhe obedeçam sem discutir.
O olhar de quem sente-se superior até do que o próprio Criador.

Não gosto dele, por motivos pessoais, pois há muitos anos, devido as críticas que meu pai fazia no Jornal da Manhã à sua administração, conseguiu impetrar um mandado e tirou meu pai da frente dos microfones por algum tempo.
Não admite ser criticado.
Vejo-o como um Hitler, um tirano maldito.

Porém, devo admitir, ele ao menos não tem medo de mostrar quem é de verdade.

Bem, o tema é a campanha.
Voltemos a ela.

Já notou como tem candidato? Aquela "promoter" é candidata, o empresário desconhecido também... nossa, como tem gente sonhando com o alto salário e as benesses do cargo público, tenho certeza que não pensam em nós.

Eu sou cética, não vejo um futuro melhor com estas caras que se apresentam. Talvez um ou outro.
Percebo que mesmo com a saúde pública um caos, com a situação de calamidade da segurança, entre outros, o Brasil está indo de mal a pior.
Mesmo assim, vamos continuar com a porcaria do PT.

Lastimável... reflete a cultura ignorante do povo.
Povo que não sabe discernir, que se deixa levar por belas imagens na televisão.
Eu me desiludi totalmente pois sou do tipo que acredita nas pessoas, mesmo naquelas que não conheço pessoalmente.
Queria o Lula no governo, ele vinha da classe operária, sabia do sofrimento do povo mais simples.

Foi uma grande decepção.
Ele se esquiva de todos os problemas, diz que não sabe de nada (Dilma idem), faz piadinhas, metáforas estúpidas, pensa que é o "cara", que resolve todos os conflitos mundiais, mas sabemos que não tem credibilidade alguma entre as nações do primeiro mundo.
É o "palhaço" do circo.

Só que quando se trata de miséria, sabem bem que para grande parte da população, se você der uma ajuda de custo (como Bolsa Escola, PET etc), vai tirá-los do zero e passá-los pelo menos para os quarenta.
Melhor ter 4 notas de 10 reais do que nenhuma.

É por isso que a Dilma irá se eleger.

Dilma é o produto de um projeto bem elaborado do PT para continarem no poder após a saída do "sapo barbudo".
O Lula é maior que o partido.
Dilma não.
Vamos ter que aturar novamente o Zé Dirceu, o Palocci.
Ela não vai apitar nada, só será um fantoche nas mãos deles.

Como eu queria não perder meu tempo tendo que votar dia 3/10.
Vai ganhar a política assistencialista que não ajuda nada nosso desenvolvimento.

Já aqui em Paranaguá ninguém irá se eleger.
Tem muito candidato. Alguns até sobrando.
Até queria ver uns dois lá na Assembléia, na Câmara não. Estes nomes que estão aí não me convencem.

Só sei que não aguento mais tanta palhaçada.
Hoje fui acordada pelo meu querido vizinho/empresário/candidato com sua musiquinha de campanha às 9h... HOJE É DOMINGO!O que passa na cabeça dos candidatos?

Poderíamos fazer uma lobotomia para entendermos melhor o que pensam...
O cara pensa que tocando sua musiquinha tosca bem cedo irá ganhar votos?
E fazendo carreatas em frente aos estabelecimentos de ensino e hospitais?
Será que imagina que assim convencerá alguém que é melhor?

Sem contar a quantidade de papel que toma conta das ruas, das calçadas, dos terrenos, das nossas caixas de correio, dos nossos carros...
Tenho tanto raiva deles por isso.
Queria juntar todo o lixo que deixam aqui e separar por candidato para jogar em cima de cada um.

Quanto dinheiro jogado fora!

Quando o povo aprender que aquele que mais aparece provavelmente é aquele que menos se poderá confiar,pois só com muitos acordos obscuros o sujeito consegue tantos recursos para campanha, talvez a gente comece a evoluir.

Porque por enquanto só vejo regresso.

sábado, 18 de setembro de 2010

A pobre Paranaguá...




É tão fácil criticar esta cidade, encontrar seus defeitos, suas carências. Difícil é conseguir tirá-la da inércia, fazê-la evoluir.
Toda cidade que tem um porto certamente é uma cidade evoluída, cheia de atrativos turísticos, com uma economia desenvolvida, uma vida cultural rica, uma estrutura impecável.

Menos Paranaguá.

O porto para alguns traz mais aborrecimentos do que vantagens.
Começando pelo fato de que os caminhões chegam exatamente pelo mesmo percurso dos turistas e moradores.
Mesmo tendo uma lei que proíbe e multe o desperdício dos grãos na rodovia, o que mais vemos é a carga escapando pelas frestas e "sujando" os acostamentos.
O problema não é apenas este, o pior é que acontecem acidentes devido a pista estar suja, especialmente com motoqueiros.
Geralmente são fatais.

Sem contar que o plano diretor da prefeitura é algo surpreendente, mas não por sua aplicação, mas justamente pela falta dela...
Todos sabem que é proibido a circução de caminhões em certas áreas, parece piada até, porque o que mais vemos nas ruas são eles. Não adianta chamar a Guarda Municipal, quando atendem o maldito telefone apenas fingem que mandarão alguém e nada. Muitas vezes após uma hora passa um guardinha com cara de bobo procurando o infrator.
Eu reclamo por um motivo simples: moro próximo a uma transportadora, minha casa é de esquina e diariamente os caras chegam, estacionam no meu portão e vão ali fazer acerto, assinar papéis, coisinha "rápida" de 30 minutos... se eu tiver que sair com o carro preciso aguardar.

Coloquei uma placa de proibido estacionar, mas quem disse que caminhoneiros sabem ler?


Este é só um dos problemas.

Paranaguá é suja. Feia. Chata.

A culpa é nossa. Embora eu não seja como muitos que vejo abrindo o vidro de seus belos carros importando e jogando garrafas, latas, papéis, enfim, mais um pouco estes "porcos cidadãos" tacam a mãe pelo vidro, não faço questão alguma de manter a frente da minha casa limpa.
Moro do lado de uma escola (de dia) e faculdade (de noite).
Tenho um cesto de lixo que estes tolos pensam que é lixeira.
Diariamente tem de tudo ali.
Deveria ser obrigação da prefeitura manter garis varrendo as calçadas, ainda mais pelo valor do IPTU que pago, já que moro numa das áreas mais valorizadas.
Só que ao invés de fazerem concurso pra aumentar o quadro, preferem encher salas com engenheiros, jornalistas, arquitetos, etc. O salário de cada um deles poderia pagar no mínimo 3 garis.
O porto deveria ser responsável em manter as vias de acesso sempre bem limpas. Infelizmente não ocorre isso, além de sermos brindados com aquele cenário dantesco, grãos misturados com pessoas, ratos e pombos, temos que suportar o mau cheiro.

Fico triste quando ouço meus primos e amigos de fora dizendo que a cidade continua a mesma "porcaria" de tantos anos atrás, que a cidade fede, que não tem opções.
Só concordo.

...e lamento...

Tenho pena de ver como esta cidade que meus pais tanto amaram, tão defendida por Ludovico em seus comentários jornalísticos, tem sido tão maltratada e expropriada...

Tudo culpa dos governates.
O povo ajuda também.

Não existe uma preocupação de aumentar a auto-estima do parnanguara, de ensiná-lo a admirar nossas riquezas naturais, o que temos de melhor.
As pessoas acham que tudo o que vem de fora supera o que temos.
Não se valorizam.

Temos uma ótima localização geográfica, estamos numa Baía, poderíamos ver esportes aquáticos ocorrendo no Rio Itiberê, poderíamos atrair campeonatos de caiaque, vela, jet ski, pescaria...
Poderíamos ter eventos gastronômicos nas Ilhas próximas.
Talvez fosse bacana incrementar a parte turística, levar as pessoas para passear de charrete pelas ruas da Ilha dos Valadares.
Ou quem sabe percorrer trilhas na bucólica Alexandra, para observar a natureza, os pássaros...

Poderíamos...

Se eu fosse embora desta cidade não sentiria saudades. É um triste fato, que infelizmente compartilho com muitos.

Noto que Morretes e Antonina pararam no tempo. Isso é positivo porque mantiveram aquele ar de cidade romântica do interior.
Conseguem atrair visitantes para praticar esportes, para participar das festas e por sua maravilhosa gastronomia.
Dá gosto verificar a limpeza das ruas, o cuidado com os casarões históricos.

Agora, alguém lembra que temos um dos melhores restaurantes do Brasil especialista em barreado?
É verdade, saiu no Guia da Revista Quatro Rodas.

Um lugar muito bacana.

Enquanto a mentalidade dos políticos for esta de querer fazer apenas o que é melhor pra eles e para cumprir "acordos" nada vai melhorar.

Porque além dos políticos terem sido um verdadeiro desastre (com exceção do Roque, na minha opinião), temos que conviver com o cartel formado pelos árabes que evitam a entrada de qualquer grande loja que possa vir fazer concorrência com as porcarias de baixa qualidade vendidas por eles...
A ACIAP só bloqueia o crescimento da cidade.
Não querem ouvir falar de franquias.

Depois quando chega o Natal fazem campanha para que compremos os presentes aqui.
Se ainda víssemos os impostos aplicados... mas convenhamos, no Brasil inteiro é assim, pagamos altas taxas tributárias e não temos uma boa escola, nem creches, nem saúde pública digna... o dinheiro vai pro bolso da gangue que nos comanda.

Tenho pena de Paranaguá, não era pra estarmos nesta situação.

domingo, 12 de setembro de 2010

Datas...

Semana passada foi o feriado tão esperado de 7 de setembro. Como na capital dia 8 é dia da padroeira, o povo de Curitiba pode emendar 5 dias diretos... nada melhor heim?!

Para mim foi dia de ir ao cemitério levar umas flores ao meu pai, que completou dois anos de partida.
Não é melancólico, apenas triste.

Pensar que já faz dois anos que não ouço sua voz grossa e firme.
Que não preparo seu prato de comida com todo carinho, sem um pingo de sal pra evitar a pressão alta.
Até hoje ainda penso nele (nela também) quando preparo um prato delicioso... penso comigo "eles iriam gostar".

A vida é muito boa, mas a morte estraga um pouco. Tira o brilho, machuca o coração.

Engraçado como lembramos de cada detalhe da pessoa que partiu. Lembro das unhas do meus pais, porque frequentemente eu as cortava.
Do cheirinho de sua pele, da cabeça com o cabelinho um pouco oleoso... da risada, das preocupações...
De cada gesto de carinho, do olhar que diz tudo.

A gente nunca esquece.

Recentemente caí de cama com uma forte virose, a única coisa que eu queria era tê-los ao meu lado, me cuidando, me acudindo... fazendo o drama que só os pais sabem fazer quando suas crias padecem... porque pai é pai, assim como mãe é mãe.
Parece piegas, mas não é.
Isso é algo forte.

Sinto muita saudades, nossa, só Deus sabe o quanto gostaria de encontrá-los, mas apesar disso, sinto-me bastante feliz, porque sei que é o meu destino.


Amo você pai!
Amo você mãe!

sábado, 24 de julho de 2010

Assim que é...

Quis Deus que muitos dos ensinamentos dos meus pais fossem compreendidos por mim só agora, quando eles não estão aqui...

Também creio que a doença que tive surgiu para eu dizer para eles que era só por t~e-los que sabia que iria superar... mostrei o quanto eram essenciais... quando também fui estimulada por ambos a conhecer minha mãe biológica, por quem sou e sempre fui grata, mesmo antes de conhecê-la, quis Deus que eu passasse por isso para reforçar aos meus pais a importância deles em minha vida... e para dona Maria conhecer a filha que apenas pariu... e talvez entender que agiu certo.

Tinha que ser assim...

Sou uma pessoa iluminada, desde que coloquei a car no mundo...

E agora quer Deus que eu me aproxime das minhas irmãs biológicas... porque só Deus sabe o quanto eu gostaria de ter mais próximo de mim meus familiares...

O tempo segue o seu caminho... nada é por acaso. Precisamos estar prontos.

Um dia abandonarei meus erros... porque busco a perfeição... dentro do que acredito...

Autoestima ou auto-estima

Sou tão velha que a regra gramatical mudou e agora preciso reaprender...gosto do português correto, mas deixei de pegar no pé das pessoas que não conseguem escrever uma frase sem erros...

Este texto é para dizer que você deve se amar...porque só se amando os outros irão gostar de você... só assim passará uma impressão positiva.
Eu tento sempre ser bacana.
Odeio quando me igualo as pessoas que estão de mal com a vida...quando troco a sensação de paz pelo tormento...

Eu cresci com meus pais me dando injeções de amor e autoestima, mas eu não cedia, não acreditava... porque o mundo me dizia ao contrário... o espelho refletia o que eu não queria ver... sempre tão exigente...

Não me sentia bonita, não me sentia amada o suficiente... sempre fui insegura, estou me moldando, já superei várias fases, várias problemas...
Quando você é uma adolescente, naturalmente tem suas dúvidas, seus conceitos idiotas, suas inseguranças... mas quando você tem uma característica física que faz com que seja o centro das atenções as coisas complicam...
Difícil quando ainda estamos formando nossa personalidade conseguir superar... se você chama a atenção pelas suas qualidades precisa saber controlar seu ego... se debocham de você é pior, porque precisa entender que o seu valor vai além de ser muito magra, muito gorda, muito alta, muita baixa... as ofensas podem fazer você odiar-se...
Eu me odiei... sofri muito... tentei muitas vezes chegar perto da linha da morte, para sumir... não enxergava tudo de bom que tinha...

Só depois de muitos anos passados... tendo o amor presente dos meus pais... porque pensar besteiras todo mundo pensa uma hora, até por imaturidade... tomar a atitude e pensar que sumindo daqui resolve, não está certo... porque viemos porque algo superior quis, não somos nós que decidimos quando parar... e todos nós podemos alcançar nossos objetivos, estamos aqui para vencer, devemos aceitar os desafios, ter fé... confiar e nunca prejudicar ninguém...

Mesmo que você não ouça elogios, elogie-se você... olhe-se no espelho, melhore o que acha que realmente precisa, se não, pense que corpo perfeito não é nada se não temos um bom caráter.
Amar-se é analisar-se e gostar... reconhecer-se como um ser humano em evolução diária...

Ame-se! Você é único e mesmo quando tudo parece confuso, logo melhora... basta buscar...

Reflexões de uma mente quase insana... ou quase brilhante? Você decide.

Não sei se todo mundo é assim, imagino que muitos não...
Será que você sabe refletir? E se sabe, será que não reflete demais que chega até confundir suas idéias?
E será que o que você pensa é o certo?

...e dentro do que você pensa que é certo, será que realmente é?

...você consegue pensar em você e sentir quando algo dentro de si vem de algum trauma... de algum transtorno? Você saberia me dizer quais são seus pontos fracos? Quais são as atitudes que toma que fazem parte da sua personalidade mas que você precisa lutar contra?

... reconhece-se quando arrogante e prepotente?

...enxerga todos seus defeitos?

...percebe suas falhas?

...consegue dominar sua mente, sendo o seu melhor conselheiro? Mesmo quando solicita alguma opinião?

Quer que eu diga? Um dos meus grandes defeitos e contra o qual luto, sei que está o julgamento de terceiros, então, dentro desta visão, vejo um bando de gente sem noção...
Gente que insiste em errar, errar, errar...
Pessoas que não conseguem perceber que antes de pensar em julgar devem para e olhar para dentro de si... e ver que nada somos... que somos todos iguais, apenas temos enredos diferentes...

A visão que temos do mundo nos diferencia... o que vivemos... as experiências ruins e boas...

Posso dizer que vivi um pouco de tudo. Também me julgo um ser que busca a evolução e que luta pra lutar contra muitos demônios que aqui dentro vivem...
Já mudei muito, graças à Deus, que me guia e me ampara... que me mostra os caminhos, mesmo dificeis, contraditórios...

Tem coisas que sao difíceis de entender...alguns sentimentos são quase impossíveis de remover... mas eu luto, acredito e busco...
Sei quem eu sou... tenho orgulho da mulher que me torno a cada dia...

Reclamo? Muito...


Tenho arrependimentos?

Vários... a maioria ligado à minha família... se o tempo voltasse, não teria jamais ido contra meus pais, brigado, discutido, ofendido... ai, este maldito gênio... esta coisa que vem e faz eu agir assim...

Não sou ruim... conheço gente ruim, conheço gente que até se acha no direito de tirar vidas... gente que hoje está bem longe de mim... não sou ruim, sou geniosa, ciumenta, perfeccionista, gosto das coisas certas... acredito que tudo de ruim que você faça volta um dia...

Eu amo o ser humano... mudo de opinião rápido quando me aproximo de alguém que a principio não me passou uma boa impressão...mas tem gente que nem forçando... às vezes a gente tenta, muda de opinião... e cai do cavalo.
Porque no mundo tem gente que parece ser uma coisa e não é.
Isso vale pro bem e pro mal...

Eu tendia a confiar nas pessoas... quando era mais nova... hoje desconfio... até que uma hora acabo confiando... mas mesmo assim, às vezes ainda acredito...
Porque tem gente que gosta de mentir... e é difícil saber...

Só que eu sempre penso que quando alguém nos prejudica logo se ferra... ou um dia... pode não ser aqui...

Porque estamos aqui apenas de passagem...

Dos meus defeitos eu sei que sou um pouco arrogante, não sempre, às vezes me pego, odeio...
Sei que sou um pouco esquisita, não gosto de todo mundo... e desgosto das pessoas, quando estas não correspondem minhas expectativas... é tão difícil lidar com meus defeitos, imagine com o dos outros...

... mas quando conheço um pouco da história da pessoa... eu tento... tento me colocar no lugar dela... este é o exercício que mais faço... por isso me decepciono, porque espero que as pessoas tenham determinadas atitudes baseadas no que eu faria... isso é um erro... somos iguais na forma... diferentes no conteúdo...

Estou aprendendo... aos trancos e barrancos...

Hoje, minha preocupação é evoluir, me entender, não cometer tantos erros... não julgar, não rebater ofensas, não me magoar quando me sinto preterida...

Fui criada sendo a principal pessoa da vida dos meus pais... e foi sempre assim...

Hoje... com quase 40 anos... me sinto no topo da pirâmide familiar... também sinto-me importante pra minha família... mas sinto falta dos meus pais...do amor deles sempre tão presente...

O maior medo que me acompanhou: perdê-los!
Já disse em outros textos que pedia à Deus pra me levar antes deles, porque achava que não iria aguentar... tão egoísta que não conseguia enxergar o sofrimento na vida da minha mãe que já havia perdido um filho...só entendi quando a jéssica nasceu...

A Jéssica... minha única filha, até hoje... sinto um orgulho dela... GIGANTE... sei que a pessoa já nasce predestinada a ser feliz, a ter boa conduta... porque fui péssimo exemplo...
Fui tudo o que ela nunca aprovava...

Fiz quase tudo que não esperamos de uma mãe...

Talvez um dia ela entenda que a tive muito cedo...

Hoje tento ser a mãe que minha mãe era... tento supri-la de todas as formas... queria ela sempre morando comigo... mas acho massa ela ter como objetivo ter sua casa em breve... eu sempre quis morar com meus pais... fui obrigada a sair de perto...
Algo que preciso mudar, precisa sair de mim, porque enxergo que as situações a minha volta dependem de mim para mudar... e quero... ser mais carinhosa, sabe, abraçar mais minha filha, beijar mais meu marido... preciso deste contato... não quero ficar pensando que eles também poderiam ser assim... afinal... eu me jugo tão evoluída... e sei que sou capaz de demonstrar um amor enorme...

Porque eu amo minha vida, sei que determinadas situações são consequencia da falta dos meus atos...porque cada um tem um modo de ver o mundo... e o mundo que vejo e quero cada vez mais é de amor e harmonia...

Por isso preciso lutar... e nunca desistir... mesmo quando erro... errar faz parte... talvez um dia eu nunca mais tenha determinadas atitudes... ou quem sabe, precisei ter isso, desta forma, para chegar a uma conclusão...

Por que eu realmente questiono muita coisa...

Por que somos tão diferentes no amor que sentimos uns pelos outros???

Porque alguns de nós matam?

Não gosto de expandir muitos meus pensamentos... porque me pego pensando em alguém que pode estar sofrendo...

Sei de mim...pode ser que as idéias que tenho sobre alguns "por ques" estejam corretas, talvez não passem nem perto...
A chave de tudo, parece estar com meu irmão gêmeo, separado por algum motivo que só Deus para explicar... não tem como fugir de imaginar que tudo poderia ter sido diferente se ele tivesse vindo comigo...é, estes dias um dos meus sobrinhos contou que ele era ruim, do tipo que até esfaqueia outra pessoa, pode ser que se estivesse comigo fosse menos mal, talvez não, talvez trouxesse problemas... a vida quis assim, desta vez os gêmeos separados... embora eu sempre tenha me sentido dois... e me sinto... não sei se sou eu conversando comigo... não sei se é ele...


Este texto está enorme...

Considero-me bêbada... bebi alguns copos... de cerveja... como nunca bebo... então, estou no meus estado ébrio!

sábado, 17 de julho de 2010

Tenho orgulho de mim... é sério!!!

Depois de muitos anos convivendo com a depressão, com angústias e traumas que marcaram meu nascimento, sem ao menos eu entender quem era e para que vim, hoje, no alto dos meus quase 40 anos, posso dizer que quando penso em mim, sinto orgulho do que sou.

Também gosto muito de pensar que meus pais sentiriam a mesma coisa, aliás, eles sempre tiveram orgulho de mim, mesmo diante de todos os meus problemas...

Não sou modesta mesmo, que hipocrisia a pessoa que diz que não consegue se analisar, se enxergar. Talvez falte um pouco de auto-análise.
Sei que eu penso, reflito, pondero muito, mas clarom muitas vezes escolho o caminho errado, tomo a decisão menos acertada para logo em seguida me arrepender.
Mesmo assim, é difícil quem consiga este grau de discernimento.

Durante muito tempo eu não gostava de pensar o que seria de mim sem meus pais.
Passaria fome?
Conseguiria me bancar?
Iria permanecer no mesmo padrão de vida?
Seria capaz de ter um dinheiro sobrando para comprar um remédio para minha filha quando esta precisasse?

Muito medo sentia quando me fazia tais perguntas.
Evitava pensar, não conseguia imaginar minha vida sem meus pais, não só pelo lado afetivo, mas pelo lado financeiro também...

Depois de algumas cabeçadas, de jogar algum dinheiro no lixo, hoje posso dizer que sei bem para que vim e o que quero.
Acabou aquela vida sossegada de vadiagem que eu tinha...

Lembro do tempo em que trabalhava na prefeitura, ficava lá por volta de 4, 5 horas diárias, embora eu cuidasse dos processos, tirasse fotos, cobrisse eventos, fizesse filmagens e produzisse matérias, não eram todos os dias que tinham estas funções para executar.
Muitas vezes chegava, recolhia os jornais locais, estaduais e nacionais e lia as matérias que mais me interessavam, sempre separando as que o prefeito poderia aproveitar também, embora sempre duvidasse disso.
Era uma vida sem perspectiva, já que nunca quis puxar o saco de ninguém pra melhorar meu cargo, afinal, eu já trabalhava o suficiente para enxergarem isso.

Hoje posso dizer que não sinto saudades alguma deste tempo. Nem de ninguém.
Foi válido porque mil vezes trabalhar ali sem ninguém pegando no pé do que em outro lugar.

Agora as coisas são tão diferentes que se eu não anotar meu itinerário ao sair de casa não consigo atender todo mundo.

Acordo cedo, por volta de 8h.
Quando não preciso sair de casa para resolver algo, fico aqui fazendo faxina, colocando ordem na bagunça, cuidando dos meus.
Faço almoço diariamente, com muito prazer porque acho isso quase sagrado, embora tenha dias que eu quisesse dar um tempo da cozinha.

Atendo minhas clientes, atendo minha equipe de vendedores, todos sabem que podem contar comigo para o que der e vier.
Eu adoro o que faço.
Faço com prazer.

Há momentos que olho minha vida e penso que apesar do vazio deixado pelos meus pais sei que sou muito feliz. Sinto isso no meu peito.

Tenho um gênio forte, preciso respirar e contar até 10 para não levar desaforo pra casa, mas uma coisa eu sei, não prejudico ninguém, não devo nada, ando na rua de cabeça erguida, podendo ajudar eu ajudo...

Só que ninguém me tira pra otária.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Quantas Elizas?

O caso que está nas manchetes do país é estarrecedor em todos os seus cruéis detalhes.
Mais uma vez o homem demonstra ser o animal mais impiedoso, cruel e traiçoeiro que existe na face da Terra.

Como entender que um cara consiga achar uma solução tão inimaginável para uma situação que não o agradava.
Novas pistas começam a desvendar o porque de tanta crueldade. Eu perco um pouco o ar ao tentar imaginar que tipo de pessoa é esta.

Os dois tem histórias complicadas de vida, não precisa ser psiquiatra pra enxergar. Só que talvez isto não tenha contribuído em nada.
Fico me perguntando se esta moça entrou na asneira de chantagear um cara como este tal Bruno.

O "ídolo" do Flamengo. Só que quando apareceu o primeiro caso nas manchetes dos jornais, que o machão havia agredido umas prostitutas, aconteceu algo também só para cara de um time horroroso como este Flamengo: o goleiro "ídolo" veio a público pedir desculpas... aos companheiros de time... e as prostitutas???? Bem, indo pela linha de pensamento do machão, já que com a "mulher dele" costumava sair "na mão", porque claro, isso é algo normal entre casais, então dar umas porradinhas numas prostitutas é algo banal. Quem não faz?

Fico de cara, porque num país aonde pessoas que conseguem ganhar dinheiro precisam ralar muito, sendo que tem muitos que ralam, ralam, ralam e não conseguem comprar nada, sobra mês, mas salário... aí tem um cara que era um favelado, um analfabeto, alcança a fama, o sucesso, tem o privilégio de ouvir seu nome em coro gritado pela maior torcida do país (imagine-se...), tem um salário base de 200 mil reais, fora patrocinadores, por causa de uma pensão resolve unir-se a outros animais e cometer uma atrocidade como esta.

COMO???

É muita loucura para mim aceitar. Imaginar uma pessoa apanhando diante do seu bebê.

Porque se estava sendo chantageado, é porque não bastou todo o dinheiro ganho honestamente, pelo jeito este infeliz estava metido com outros esquemas piores.
O "ídolo" do Flamengo.

Lá atrás, quando os primeiros casos aconteceram, como uma empresa séria faria com um ótimo funcionário, a diretoria do time deveria acompanhá-lo com sessões de psiquiatra, não sei se ajudaria muito, mas quem sabe?

Agora, vocês que idolatravam o cara até estes dias, mesmo depois de escândalos e comentários jocosos, digam para seus filhos que ídolos não deveriam existir, porque não podemos confiar em qualquer imagem de pessoa boa que apareça. Podemos gostar, mas não podemos querer ser iguais apenas. Temos que ser sempre melhores...

Infelizmente a mensagem para crianças é "nem todo cara que parece ser legal é realmente legal".

E o bebê?

Meu Deus, renegado totalmente por ele, separado da mãe, passando de mão em mão como se fosse uma sacolinha... o cara se quer pensa em fazer o DNA para saber se o pobrezinho é ou não seu filho. Que coisa heim... torço para que esta avó tenha realmente boas intenções, porque ele leva um carma muito pesado...tenho fé que Deus vai amparar este anjinho...

Nestes casos, como o que houve com a Ana Paula Caron em Curitiba, o João Hélio no RJ, entre tantos que deixaram esta vida sofrendo, fico pensando, qual o propósito destas criatura malévolas na Terra?
Espalhar o mal, disseminar o ódio, espalhar a desesperança, o sofrimento, destruir... será que precisamos mesmo conviver com estas almas tão desgraçadas???
Imaginar que jogaram seu corpo aos cães, que foi desossada, que pode estar sob o concreto, nossa, me dá náusea.

Nada justifica, mesmo fazendo chantagem, sendo uma Maria Chuteira, sei lá, acho que no fundo ela gostava dele porque acreditou e foi encontrá-lo. Mesmo com um mandado de que ele não poderia se aproximar.
Tem mulher que apanha e perdoa.
Era a mãe do possível filho dele.

Eu sei... já fui vítima de homem agressor... graças à Deus me livrei no momento certo antes que as coisas evoluíssem.

É pecado meu Deus? Não consigo me conformar com uma pessoa que tira a vida de outro semelhante seu, por motivo banal. Nem malandro o cara soube ser, só é preso que não tem bom advogado e com a grana que ele tinha poderia pagar.

Queria olhar na cara dele e fazer duas perguntas:

Agora está bom?
Resolveu?

Porque foi de uma insanidade, jogar uma vida bacana no lixo.
Tem gente que nasceu pra sofrer, nem que a felicidade o persiga o bicho vai pelo caminho mais torturoso.

Sem contar a carga espiritual que ele leva nas costas, de tanto agredir, talvez tenha matado outras pessoas, sei lá, sem contar que o espírito dela acho que só terá paz quando for encontrado seu corpo...

Umas das piores histórias que tomei conhecimento nos últimos tempos.

Descanse em paz Eliza Samudio.

Apodreça Bruno. Você acabou.

sábado, 3 de julho de 2010

Não deu...



É, infelizmente, mais uma vez ficamos fora do sonho de conquistarmos mais uma taça.
O jogo ontem foi um dos mais emocionantes em todos os sentidos.
Um primeiro tempo que prometia goleada, Brasil dominando, enchendo-nos de orgulho... até que... apareceu Mick Jagger com seu filho brasileiro... putz...a uruca em pessoa!

Vem o intervalo, os times voltam e o Brasil muda totalmente a forma de jogar, o jogo foi ficando agoniante, a Holanda empata, mesmo assim ainda dava, pensava em ouvir o Galvão dizendo "tem que ser com sofrimento", até que eles nos superam.
Robinho irreconhecível, de atleta tranquilo passa a agir como nunca o vimos.
Nada deu certo. Até que o tal Felipe Mello é expulso. Ali o que estava ruim ficou bem pior...

O jogo foi pra matar cardíaco, confesso que nos ultimos instantes estava quase abandonando meu posto.

Triste sairmos assim, pensar que agora a festa continua mas você não pode entrar, só assistir da janela.
Não culpo o Dunga, porque se trouxesse o Hexa seria louvado. As pessoas que o xingam de burro esquecem-se que ele trouxe mais vitórias do que derrotas.


Não sei também se esta teoria de que estas copas já tem o campeão escolhido de antemão para agradar patrocinadores, se isto não é verdade.
Porque foi muito estranho.

A Holanda jogou bem, mas a queda de rendimento no segundo tempo foi algo que me deixou desconfiada.

Agora, nós que adoramos este espetáculo, temos que adotar uma seleção. Até torci pra Argentina ganhar da Alemanha, mas não teve jeito. O Paraguai também saiu. Restou o Uruguai, que dificilmente chegará a uma final.
O jeito é ficar com a Espanha mesmo.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Divagações sobre a Copa do Mundo 2010

Fico pensando como deve ser chato a pessoa que não liga pra Copa do Mundo ter que se adequar a um país que acredita que se deva parar pra assistir a um jogo.
Confesso que entendo, nossa diversidade cultural nos faz naturalmente diferentes, mas me dá uma pena...

O que é a Copa do Mundo?
Eu vejo como um grande evento, uma confraternização de raças, etnias, culturas.
Só na Copa do Mundo podemos ver o Paraguai ganhar do Japão.
Sem contar a beleza interminável de imagens maravilhosas.
Homens perfeitos correndo, caindo, driblando, infelizmente também sendo desleais e crueis.

Vimos ao vivo a reação do técnico da França ao recusar-se a apertar a mão do Parreira, uma grosseria sem tamanho.
Por outro lado, até entendo sua reação. Não é fácil lidar com críticas, nem pra ele, nem pra mim, nem pra você.

Jogos da Copa mexem com nossas emoções. É bonito ver a nação se unindo, todo o pretexto pra sermos felizes e sonharmos um pouco é válido.
Infeliz daquele que só sabe acreditar no palpável, que não se emociona com nada além de dinheiro entrando na conta...
Não sabe como é bom esquecer do mundo, dos problemas, das dificuldades e de repente se enxergar forte.
Porque é isso que somos no ranking mundial, a potência a ser superada.

Somos top. Nestas horas toda nossa gente sofrida enche o peito de alegria e orgulho.
Ouvir o hino, vibrar com a nossa amarelinha enchendo nossa tela.

É uma idiotice e certamente não mudará sua vida em nada, nem se o time perder, nem se ganhar.
Só que a vida é feita de momentos, não é apenas um acúmulo de coisas materiais que certamente quando for viver na Terra dos Pés Juntos não poderá levar.

Eu gosto de gente, sempre enfatizo isso.
Gosto de ver, mesmo que seja pela televisão, as pessoas aproveitando este momento pra estarem juntas, se conhecendo, brincando.
Adoro ver um time de um país subdesenvolvido despachando adversários de grandes potências.
Dá aquela sensação de "pelo menos isso"... como diria o velho lobo Zagallo, um "vocês vão ter que me engulir"...

É triste ver a decpeção de alguns, mas também nada mais alegre do que ver um arrogante sendo mandado de volta pra casa.

Amanhã teremos jogo do Brasil contra Holanda. Mais um motivo pra corrermos pra casa a partir das dez e meia, fazer aquele almocinho especial (aqui um delicioso fondue de carne), e dá-lhe vuvuzelas, fogos, bandeiras verdes e amarelas... e tensão... eu adoro este climinha... como diria o Skank:

"É TÃO EMOCIONANTE UMA PARTIDA DE FUTEBOL"!

E que tenhamos sorte...

PS: O alemão falou mal de nós da América do Sul, deu aquelas cutucadas, bem, sabe que nunca imaginei isso, mas vou torcer pra Argentina passar porque sonho em derrotá-los numa final... rsrs

terça-feira, 29 de junho de 2010

A minha Paranaguá.



Sempre quis embora desta cidade. Sempre.
Durante minha infância pensava em morar perto dos meus primos em Curitiba.
Depois quando fiquei um pouco mais velha queria apenas sair desta vida pacata e sem graça pra viver no caos urbano que Curitiba sempre representou.
Uma das coisas que achava mais legal quando íamos pra lá era ficar preso no trânsito, observando as pessoas nos outros carros.
Acho que sempre tive uma atração por engarrafamentos.

Eu ia para o apartamento de uma amiga e ficava olhando o movimento dos carros na via-rápida, o acender e apagar das luzes dos apartamentos, o caminhar dos pedestres que lá do alto pareciam formigas.
Como me considerava encalhada, pensava que talvez o amor da minha vida se escondesse por trás de uma janela destas ou quem sabe dentro de um ônibus...

Claro que quando somos adolescentes somos extremamente idiotas e imaturos, além de sermos muito sonhadores.

Eu não gostava daqui justamente porque julgava já conhecer todas as pessoas que eu julgava serem interessantes.
Não achava legal esta história de sermos "alguém" enquanto que em Curitiba éramos apenas "mais um".
Nunca gostei de ninguém se metendo em minha vida, então se eu pudesse fazer minhas burradas de forma incógnita era melhor.
Até hoje acho chato saber detalhes íntimos da vida de pessoas que conheço apenas de vista. Claro que isso acontece em qualquer cidade do mundo, mas quando é uma cidade relativamente pequena como esta fica mais comum.

Já odiei Paranaguá.
Lembro que ia trabalhar pensando apenas o quanto destestava esta cidade, este marasmo, a simplicidade das pessoas, o sotaque, enfim, nada me agradava aqui.
A partir do momento em que podia passar meus finais de semana na nossa capital nunca mais fiquei aqui.
Eu sou do tempo em que não tinha um bar legal pra irmos no meio da semana, muitas vezes nos finais de semana também.

O tempo passa, as coisas mudam.

Não vou dizer que amo Paranaguá, não consigo definir este sentimento em meu coração.
Gosto. Gosto tanto que agora que posso ir embora simplesmente não tenho vontade.
Aprendi a viver e a conviver.
Mesmo assim, acredito que se um dia o destino me levar a morar longe, não sentirei saudades, nem terei vontade de voltar.

Triste é saber que a culpa disso não é da pobre cidade em si.
Paranaguá não evolui.
Tantas pessoas que vivem fora quando retornam constatam a mesma coisa.

Começando pela entrada da cidade. Não existe nada mais feio do que chegar em Paranaguá pela BR277 observando a sujeira nos canteiros, nas laterais, a feiúra dos bairros ao redor da pista, a falta de um simples portal dando um "bem vindo", a quantidade de ratos que corre entre os grãos que caem dos caminhões, a loucura do trânsito com bicicletas, pedestres, motos, caminhões, carros e carroças, todos disputando o mesmo espaço, indo para a mesma direção.

Chegando no centro, depois de sentir o odor da soja podre misturada ao coco dos pombos, ainda nos deparamos com uma realidade nada animadora.
Podem me odiar, mas nunca vi um cidadão mais porco que o parnanguara.
Nossa cidade é cheia de lixo. Tem lixo nas calçadas, nos terrenos baldios, em volta do trilho do trem.
Muito lixo.
A prefeitura até tem feito sua parte, mas não vence a porquice do cidadão parnanguara.
Já falei aqui do caso da minha lixeira. A pobre fica bem no caminho do pessoal da faculdade Isulpar, fazendo-se de idiotas simplesmente fingem que não sabem que aquilo é um cesto de lixo, para colocarmos sacolas devidamente fechadas e não jogar o papel do salgadinho, a lata do refrigerante.
O paranaguara é assim, não liga de ver lixo no chão, mas acha ruim quando chove e tudo fica alagado.
Daí vem com papo de que a prefeitura isso, a prefeitura aquilo.
Quanta hipocrisia!

Não estou dizendo que todos são porcos, eu sou parnanguara e não sou porca. Talvez porque educação comece em casa e muitos não tenham tido a mesma sorte que eu.
Logo que este prefeito assumiu, foram espalhadas centenas de lixeiras na cidade inteira. Talvez até milhares, não me lembro bem dos números.
Em pouco tempo foram destruídas por vandalos e palyboyzinhos turbinados.
Não adiantava muito também porque não fizeram um curso intensivo ensinando as pessoas a como usar as tais lixeiras. Bem, pelo menos era isso que pensava quando ia levar minha cadela passear aos domingos de manhã e via a avenida José Lobo cheia de lixo no chão, enquanto as lixeiras permaneciam vazias.
É difícil usar algo que nunca viram.

O povo desta cidade também não valoriza o que tem, não exige, não sabe se manifestar.

Se amanhã trouxerem a banda Calipso para tocar e os ingressos custarem 50 reais tenho certeza que lota, mas se for pra pagar 10 reais pra ver uma banda daqui acham muito caro.
Digo isso com conhecimento amplo.
Nem precisa pagar, vejo isso pelas festas populares aonde muitas atrações apresentam-se para praças vazias.

Paranaguá é a terra do "já teve".

Culturalmente falando estamos tão atrasados quanto uma tribo indígena que vive isolada dentro de uma floresta.
Nada incentiva nossa cultura.
Porque se você acha que somos apenas fandango está muito enganado.

O que falta aqui é uma política de valorização da cultura, da cidade de um modo geral.
A cidade é feia, suja, horrorosa.
Sim, temos nossa baía linda, aonde podemos fazer passeios de barco.
Podemos aproveitar um lindo pôr-de-sol do Rocio.
Tudo na vida tem dois lados.

O problema é estarmos parados no tempo.

Vejamos pelo nosso terminal urbano rodoviário. Destruíram uma praça histórica para construí-lo, mesmo tendo um curso antigo de História na Fafipar não houve mobilização para que fizéssemos algo a respeito, um protesto que fosse.
Hoje temos aquela construção horrível.
Como foi feita na gestão anterior o prefeito atual simplesmente preferiu a postura de apontar os defeitos e não as soluções.
Já acho que deve ser uma tristeza andar de ônibus, ter que ficar num terminal medonho deve ser pra acabar com a auto-estima de qualquer um.

E gastam milhões em divulgações, é outdoor, banner, busdoor, vinhetas na televisão, nas rádios, lay outs em jornais, e dá-lhe verba pra atender todos os seus interesses, mas não sobra $ nem pra pintar a estação ferroviária.

Agora estão construindo um aquário gigante, como tem em Santos. Tudo porque a empresa Callini depois do acidente com o navio Vicunha há uns 5 anos atrás, foi obrigada a ressarcir a cidade, aí surgiu a idéia do tal aquário.
Bem, sabemos que ali é um aterro, a estrutura construída é bem pesada, ouvi dizer inclusive, que laudos técnicos não aconselharam a obra, mas... pode trazer votos pra esposa candidata do prefeito, então pra que dar atenção a um laudo.
O fato de que o prefeito anterior gastou nosso dinheiro pra construir o centro gastronômico que foi colocado abaixo pra dar lugar a esta obra não significa nada.
A reclamação dos comerciantes que foram relocados pra o mercado novo (que é feio e parece inacabado) também não tem importância.
Também não faz mal que existam umas serie de medidas urgentes a serem tomadas para atender a saúde, o saneamento, a pavimentação... etc... pra que ouvir o que esta gente precisa?
Faltam médicos nos postos, faltam remédios, faltam asfalto, falta cursos, faltam, faltam, faltam...
Faltava até um aquário no meio disso tudo!

Seria cômico, mas é trágico!

Não gosto do rumo que minha cidade está tomando. Não é de hoje.
Penso que deveriam fazer campanhas voltadas a desenvolver a auto-estima do paranaguara, incentivando-o a desenvolver suas capacidades.
Vejo muito dizerem que "amam" Paranaguá, mas amar não é apenas uma palavra mágica que resolve tudo.

Amar é saber cuidar, saber prestigiar, saber votar, saber se indignar...

Talvez só reconheça que amo esta cidade quando daqui eu me for um dia, porque às vezes só damos valor as coisas quando a perdemos.

domingo, 27 de junho de 2010

Dispenso...

Deus quando nos coloca no mundo espera que possamos evoluir a medida que vamos ficando mais velhos, melhor, mais vividos.
Todos temos as mesmas capacidades, as oportunidades é que são diferentes.
Ninguém veio aqui para sofrer, só não sabemos como será nosso destino.

Fico pensando na vida sofrida de uma família sertaneja, falta tudo, água, luz, comida, educação, diversão, assistencia médica...
Quantos vivem nesta situação?
É muito triste pensar que enquanto estamos aqui pensando em torcer para que o México derrote a Argentina ou começando a preparar o almoço para família, há tantos que passam uma série de dificuldades.
Como deve ser viver sem ter esperanças?
Depois das calamidades impostas pelas fortes chuvas da semana passada então, o cenário não poderia ter ficado pior.

Tem gente que aproveita pra peguntar aonde está Deus que não protege seus filhos mais humildes.

Eu me pergunto aonde está os políticos que se elegeram em cima de promessas pra este povo. Não foi lá que o PT ganhou de goleada? Cadê o PT?
Porque não vejo desenvolvimento algum em regiões mais carentes deste país.
Vejo é este sistema de esmola que chamam de bolsa família.

Está certo usar o dinheiro de tentos impostos para ajudar nossos irmãos mais desfavorecidos.
O erro está em ficarem apenas nisto.
Baterei na mesma tecla, precisávamos mudar nossas gestões, pois não devemos dar o alimento apenas, mas ensinar a caçar.
Queria que o país fosse um celeiro de escolas, com cursos técnicos, profissionalizantes.
Os poderosos políticos deveriam preocupar-se em ensinar o povo a pensar e buscar mecanismos para sair da miséria e assim terem alguma perspectiva.

Preocupam-se tanto com questões como Copa do Mundo 2014, mas sabemos que tem pessoas que neste momento enterram familiares que padeceram sem medicamentos, sem leitos...
O bem-estar da população deveria estar em primeiro lugar, só depois deveríamos pensar nas outras coisas.

Por esta e por outras, porque penso, logo existo, é que tenho muito nojo desta tal política.
Porque sei que estes infelizes que estão no poder não querem que as pessoas pensem, afinal, imagine várias "Roseanes" contestando, refletindo, analisando? Não ia ser bom para eles.

É tão triste pensar que não tem como resolvermos esta situação porque 99% dos que lá estão pensam apenas nas benesses que o cargo irá lhe trazer no âmbito pessoal.
Um ou outro tem a ilusão de chegar lá e procurar mudar a história desta nação.
Só que estes ao alcançarem sues objetivos ou esquecem-se e deslumbram-se com o poder ou apenas descobrem que infleizmente não são fortes o suficiente para desarmar este sistema, com tantos esquemas e pontos obscuros.

Tenho nojo de política. Perdi a esperança neste sistema falido, nesta falta de transparencia.
Até o Lula assumir eu acreditava que seria diferente com ele, mas embora não sejam todos que acompanhem meu raciocínio, vejo que o cara que veio da base operária simplesmente sucumbiu a força do poder.
Quem lembra do velho Lula criticando FHC por suas viagens? E agora o que ele faz?
"Ah... mas é bom ele firmar acordos internacionais..."
É?! Bom para quem? Para o Ricardo Fiúza? Para o Roberto Justus? Para as multinacionais?
Porque para aquele senhorzinho que vi na televisão chorando por ter perdido o pouco que tinha na enchente aposto que não faz diferença alguma.
O capitalismo beneficia apenas os mais ricos, os que estão no topo da pirâmide.

E o que dá mais nojo é saber que depois de passar a Copa começará a campanha.
Vejo a Dilma se enaltecendo por terem feito isso e aquilo, o Serra idem.
A disputa, infelizmente, será entre os dois.
Nada mais podre...
Falam em seus discursos sobre o que fizeram e também atacam o outro.
Na verdade, ambos fizeram alguma coisa, implantaram alguns projetos, foram bem sucedidos em suas vidas públicas, não vou dizer que não tem seus méritos, seus valores, uma história de vida de vitórias.
Só não gosto porque as promessas e o enredo são sempre iguais.

NINGUÉM OLHA DE VERDADE PARA O MAIS POBRE.

Não pensam em implantar projetos que salvem realmente nosso meio ambiente, que realmente estão no meio. Daqui a pouco nem meio teremos.
Em primeiro lugar está o dinheiro, em segundo está em saber quanto irá efetivamente para o bolso.
Precisamos de medidas urgentes para salvar nossa parte do planeta.
Só que não pensam no futuro, pensam no agora.
E nada muda. Nada melhora.

Vamos começar a ouvir a Dilma dizer que o Serra errou neste ponto, naquele... aí o José Serra vai vir dizer que a Dilma isso e aquilo.
A constatação que chegaremos é que ambos tem razão... estamos perdidos!
Não gosto dela.
Prefiro ele até, mas... já decidi, vou votar na Marina do PV e no segundo turno, se houver, vou dar uma volta na praia e justificar de lá meu voto.


Dispenso...


Nada mais podre do que discurso político.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

O estilo Dunga de ser

Não adianta, a mídia resolveu fazer uma campanha contra o nosso treinador e o seu estilo mais sério de ser.
Seja na base da brincadeira ou a partir de comunicados algumas emissoras resolveram atacá-lo.
E qual seria o grande problema do nosso carrancudo treinador?

Simples, ele prefere trabalhar sério sem dar moral alguma para os jornalistas.
Acabou com a história da poderosa rede globo que conseguia entrevistas exclusivas, agora é coletivo e se quiser contentem-se.
Ontem um dos repórteres parece que discordava dele com a cabeça e o cara parou a coletiva para interpelar o rapaz, que depois ao ser defendido por outro colega parece que apenas ouvia ao que este dizia no celular, que nem ouvia o treinador. Só que falar ao telefone no meio de uma coletiva é de uma falta de educação tremenda.

Eu gosto dele assim. É autêntico, confiável, digno.
Sofreu tantas injustiças enquanto jogador que só quem viveu esta época pra lembrar.
Um time não é o resultado do talento individual deste ou daquele, é a parte coletiva que conta.
A imprensa crucificou o Dunga quando perdemos a Copa, não lembro o ano.

Agora, ele é o treinador, não tem obrigação nenhuma de dar entrevistas, nem de ser simpático, nem de abrir os treinos, nada disso.
Quero apenas que traga o título, como todos os brasileiros.

Jamais em minha vida gostaria que tivesse o estilo Maradona de ser, cheio de beijos e abraços e comentários idiotas e levianos.
Polêmica é bom, claro, pra vender jornais, aumentar o ibope dos programas.
Só.

As pessoas chegaram a um ponto que até da roupa do cara falam.
Desrespeitam o fato de que ele só nos deu alegrias desde que assumiu a seleção.

Pela minha geração posso falar que somos meio que apaixonados pelos Ronaldos, Roberto Carlos... Romário, Branco... mas o tempo passou, o bonde andou... não sei ainda o nome de todos os titulares, mas é meu país que representam e apoio todas as atitudes do Dunga enquanto treinador.
Treino aberto é bom apenas pra imprensa, nós que estamos aqui queremos apenas vitórias.

Este estilo Dunga de ser faz com que eu me identifique com ele, afinal, não sou uma hunanimidade e nem faço questão de ser simpática.
Tenho aquela "simpatia seletiva", pouco compreendida.
Quando quero alcançar um objetivo e se tenho um plano irei até o final, mesmo o mundo contra mim.

Porque na vida se nõs não pensarmos e agirmos do nosso modo, faremos como então?

Deixem o Dunga trabalhar, ele só quer o mesmo que nós: o HEXA!!!!

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Copa do Mundo 2010


Começou a cerca de uma semana mais uma edição do maior campeonato mundial de futebol. Desta vez são os alegres africanos que tem o privilégio de sediar o evento.
Creio que mais benefícios do que malefícios isso deve trazer para a Africa.

Inegavalmente é um momento único, aonde as nações se juntam e passam por alguns dias vivendo em função das partidas.
Se a vida não tivesse estes pequenos intervalos, estas fugas com início, meio e fim, qual seria a graça?
Levar sempre tudo tão à sério, nunca relaxar, nunca colocar como prioridade na sua vida algo tão idiota como apenas uma partida de futebol.

Aprecio muito as pessoas que sabem se deixar levar pela emoção e também sabem ser os próprios agentes realizadores.
Seria tão chato se na vida nos emocionássemos apenas com situações mais sérias.
Você pode se emocionar com uma música, mas os torcedores vão as lágrimas com o desempenho do seu time, seja bom ou ruim.

E nós brasileiros temos aquela coisa de achar que Deus, sendo nosso compatriota, vai ajudar o nosso time.
E como somos exigentes, meu caneco!
O time não havia nem estreado e muitos se diziam sem esperança de uma boa participação, viram uma série de defeitos (e ainda vemos), chamamos de burro o Dunga diversas vezes.

Quer dizer, o povo chamou, porque eu ainda estou pagando pra ver ele se dar bem e fazer a galera se ferrar pra não falarem sem saber.
Se ele perder ficarei com pena, afinal, ele tem o direito de fazer o que considera melhor dentro da sua estratégia.
O pequeno detalhe é que ele lida com mais onze... e se eles não colaborarem vai ser difícil.

E brasileiro é assim, não basta apenas ganhar todos os títulos que se dipôs a concorrer, tem que convencer, ser carismático, atencioso.
Mesmo ganhando a partida não adianta muito se não jogarem "bonito".
Agora, se jogar bonito, mas ganhar de apenas um gol também não vale, precisa ser de goleada.
Mesmo assim, se ganhar todos os jogos de goleada, mas chegar na grande final e perder de um gol que seja, vai deixar automaticamente de ser "o cara" para ser o maior F%$ da #$@*... vão esperá-los no aeroporto pra vaiar, xingar...
Todo o futebol bonito, os momentos de alegria proporcionados, tudo, tudo, tudo será esquecido e ficará apenas a lembrança da humilhação da derrota justamente na final.

Copa do Mundo é assim, uns riem, outros choram...

O seu maior significado está na beleza da confraternização dos povos e na beleza do esporte.

E que o Dunga tenha sorte!

sábado, 12 de junho de 2010

12 de junho


Enquanto os apaixonados só conseguem pensar em presentes, jantares e momentos especiais para comemorar a data de hoje, além de tudo isso, há algo no meu coração que não me deixa esquecer um fato extremamente marcante em minha vida.

Exatamente hoje faz 3 anos que perdi minha mãe.

Pelo tamanho da saudade que sinto parece que faz mais de 30 anos, mas se penso na dor e na lembrança daquele dia fatídico parece que fazem 3 dias.
Não dá pra mensurar o tempo quando perdemos alguém tão importante em nossa vida.

A gente nunca sabe quando chegará a hora de vermos o outro pela última vez. E esta hora chega pra todos, velhos, adultos, jovens e crianças.
A lei natural da vida espera que os mais jovens enterrem os mais velhos, mas ninguém disse que isso seria fácil.

Sempre disse que tenho muita sorte e sou iluminada.
Não deixei de acreditar nisso apesar dos pesares.
Pelo contrário, enxerguei tudo não como um grande castigo, mas como um aprendizado para um amadurecimento maior.
A dor nos ensina muita coisa, principalmente quando estamos atentos para aprender.

Minha mãe era uma mulher mais do especial.
Era não era só mãe, ela era A MÃE.
Também não foi apenas uma esposa, foi A ESPOSA.
Não se limitou a ser uma avó, foi A VÓ.
Pelo grande amor que nutria por nós - que era recíproco obviamente - fazia-se presente em todos os momentos.

Falávamos diariamente, ela nunca deixou de me ligar, parou apenas na semana em que faleceu porque não andava boa.
Minha mãe era uma super mulher.
Dentro da sua simplicidade sabia que as coisas mais valorosas da vida não se compravam com dinheiro, se conquistavam com amor, carinho e dedicação.
E a vida da minha mãe fomos nós.
Principalmente meu pai, seu grande amor eterno.

Nesta data, tão romântica, nada melhor de lembrar do que a paixão e o respeito que um sentia pelo outro.
Lembro deles se chamando de "meu bem", do cuidado que ela tinha com a alimentação dele e com tudo que o envolvia.
A mãe era assim, não pensava nela, só nos que amava. Não havia uma vez que ela fosse ao supermercado e não comprasse pra nós alguma oferta boa. Se o frango estava baratinho, levava pra sua casa e passava na nossa pra deixar um igual.

Por isso não me desce pessoas que sentam-se as mesas e comem bacalhau sem saber se seus filhos tem algo pra comer.
Porque a gente casa mas nunca deixa de ser filho.
Só quando Deus quer que nos tornemos órfãos. Como eu estou.

Que bom poder relembrar tantos momentos felizes.
Não quero que seja um dia triste, mas não posso fugir da saudade que sinto e da pontinha de angústia que surge.

Minha relação com ela amadureceu no decorrer dos anos, pois eu fui uma adolescente rebelde demais, acredito que o fato de ter sido separada do meu irmão gêmeo tenha nos marcado negativamente, tanto que ele também teve uma história meio tumultuada até culminar em seu assassinato.
Não importa. Tudo o que minha mãe não gostaria era de saber que fico remoendo lembranças ruins.

Ela quer que sejamos felizes.

Sempre quis.

Por mais que o tempo passe, sei que dentro de mim minha mãe nunca irá morrer. E tudo o que quero é nunca esquecê-la para que eu possa me tornar um décimo que seja da mulher forte, guerreira e fraternal que dona Rose foi.

Te amo mãe, um dia vamos nos ver novamente. Sei que está conosco.

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Coisas incoerentes...

Confesso que os meus quase 14 anos de administração pública contribuíram muito para eu desenvolver minha visão crítica do mundo, em todos os seus aspectos. Aprendi a ver as coisas com outros olhos, de um outro ponto de vista.
Eu lia muito, lia mais de 5 jornais diariamente, pulava a parte econômica, mas meusolhos percorriam atenciosamente todos os cadernos.
Era bom... especialmente pra comparar os veículos de comunicação, a maneira como utilizavam as palavras para falar sobre o mesmo tema.
Tudo gira em torno de dinheiro.
O jornal que você lê falando bem do governo certamente recebe uma verba mensal e bem pomposa. Já o que só xinga está do outro lado, dos que não conseguem morder uma cota da verba pública.
Também não acredite neste papo de Tribunal de Contas, pois só se forem muito burros é que não conseguem burlar as leis.
Tudo é possível.
Eu vi coisas que como dizem, melhor deixar quieto... bem quieto.

O que me enoja e foi responsável por eu "pedir pra sair" do "meu" cargo que ocupei por 14 anos, foi justamente o fato de cansar de ver tanta contradição e injustiças.
É dentro do serviço público que vemos mais pessoas despreparadas ocupando cargos para os quais não tem qualquer qualificação.
Por outro lado, há aqueles pobres funcionários que esforçam-se por anos a fio e jamais recebem o reconhecimento.
Porque uma coisa eu aprendi lá: não adianta passar a vida toda chegando no horário certo, cumprindo suas tarefas e até indo um pouco além, se você não souber ser "puxa-saco" não irá sair do lugar.
Você tem que saber ser falso, elogiar, ser capacho do seu chefe.
Sendo homem ou mulher, serve também ter um caso com seu superior... é quase que ter um mestrado em seu curriculum vitae.

Bem, eu permaneci todos estes anos exatamente ganhando a mesma merrequinha (menos de mil reais) porque nunca consegui ser falsa.
Nem tive estômago pra virar amante.
Já acho surpreendente que eu tenha sobrevivido a tantas gestões diferentes.
Méritos do senhor Ludovico, sempre tão admirado e respeitado.

Hoje, vi uma notícia na tv, falava sobre um centro de ajuda a pessoas que tem doenças respiratórias crônicas e que está prestes a fechar por falta de incentivo.
Pode ter certeza abosluta que a cota para a propaganda da administração pública referente a divulgação e propaganda certamente não corre o risco de se extinguir. Ainda mais em ano político...
Ajudar pobre e necessitado não é prioridade de nenhum dos governantes.
Porque num país tão rico e tão gigante como o nosso, dinheiro é o que não nos falta. Lembrem que o presidente doou milhões de dólares pras vítimas do Haiti.
Fora todos os gastos desnecessários.

Estão todos preocupados como estão as obras das cidades sede da Copa de 2014, mas não vejo nada ser feito para melhorar a vida dos necessitados.

domingo, 6 de junho de 2010

Domingo de sol... é perfeito para que?


Se fosse no verão eu diria que hoje seria um dia perfeito para estar na piscina ativando o bronzeado. Ou numa praia olhando o mar, sentindo a brisa, observando o vai e vem dos veranistas, tomando um sorvete...
Só que estamos no outono, a temperatura não é das mais baixas mas está frio. Porém, o sol está brilhando num céu sem nuvens.
Ouço o barulho dos aviões que despejam lá do alto os paraquedistas que descem no Aeroparque.

Da minha parte eu me recuso a fazer as tarefas que faço diariamente. Não quero nem saber de ouvir falar de cozinha... pelo menos uma vez na semana posso me dar a este luxo de não querer fazer nada.

Um dia de sol como este é aproveitado de formas diferentes.
Alguns aproveitam pra reunir a família, outros preferem ficar isolados em casa, sem ter obrigação nenhuma, nem horário.
Outros fazem aquela bela faxina a qual não tem tempo durante a semana.

Domingo é um dia especial.
Dia de descanso, dia da preguiça, dia de relaxar...
Ou dia de organizar, dia de preparar o material pra semana, de colocar a vida em ordem.

Isso quando a pessoa não precisa trabalhar. Aí o seu domingo pode ser na segunda, na terça... porque só o relógio trabalha continuamente. Com raras exceções.
Domingo também pode ser o dia da ressaca, já que muitos saem ao sábado e se recuperam dos excessos no domingo.

Gosto deste dia pelo fato de ser o único que não tenho compromisso.
Porque minha família está aqui comigo também.

Aproveite e faça o que for melhor pra sua vida, mas saia da rotina, desacelere, descanse, curta sua família, coloque em ordem as pendências.
Tenha um dia satisfatório pra começar a semana de bem com a vida.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Felicidade!





O que é isso, já parou pra pensar?
Tem gente que realmente não liga pra ela, vive amuado, reclamando de tudo. Não conseguem sentir isto, esta tal felicidade.
Cada um sabe o que lhe faz feliz. Pode ser que muita gente não entenda como você pode se satisfazer com tão pouco.
Ou com algo tão idiota.

Do mesmo jeito que me pego pensando às vezes de determinadas situações.

Não importa.
Ao menos que você tenha um distúrbio ou uma doença como a depressão, algo lhe traz felicidade.
Independe de dinheiro, de posição social, de grau intelectual.
Existem pessoas extremamente felizes nas favelas e pessoas com conta bancária exageradamente polposa que são infelizes.
No meio do luxo... um lixo de vida.

Acredito que tudo possa ser modificado sempre.
Sempre há um meio, sempre há uma saída.
A vida é uma dádiva divina, não pedimos pra nascer, se estamos aqui é pra tentarmos ser felizes.
Difícil pensar nisso quando tudo vem contra, eu sei.
Só que não podemos nos entregar toda vez que a vida machuca nossa alma. Nem sempre é fácil. Precisamos aceitar os fatos e tirar sempre algo de bom pra nossa vida.

Uma das coisas que mais alegria traz a minha vida é poder estar de frente ao mar.

Dormir ouvindo as ondas batendo nas pedras... hummm, quero fazer isso ao menos uma vez ao ano...este sentimento maravilhoso revigora nosso ser.
Tudo é tão perfeito, somos tão pequenos.
Nem sabemos até quando ficaremos aqui.
Ou estaremos com os que amamos.

Por isso, mesmo que tudo lhe dê motivos pra ficar triste... lembre-se que algo bom está guardado pra você. É só buscar...

sábado, 8 de maio de 2010

Mãe...






Alguém já disse: "ser mãe é padecer no paraíso".
Com todas as dificuldades que esta relação nos traz, acredito que não há amor maior em nossa vida do que este materno... talvez só o paterno.
Mãe é bom, mãe resolve os problemas, mãe está do nosso lado, mãe sempre nos ouve, mãe quer sempre o melhor pra gente, mãe não nos deixa ficar só, mãe é por nós (sim, ela é ligadinha com Deus), mãe surpreende, mãe aconselha, mãe põe no colo, mãe alimenta, mãe se preocupa, mãe se orgulha, mãe sente medo...
Mãe...
Mãe...
Mãe...

Há de ficar feliz aqueles que ainda podem tê-la.
Há de ficar feliz aqueles que um dia já a tiveram.

Mães são únicas, assim como únicos são todos os seus filhos.
Não tem como, quem é mãe sabe, que nós sentimos o coração apertar quando pensamos que nossos filhos sofrem, correm riscos.
Nada pior pra uma mãe do que ver lágrimas no rosto de um filho e nada poder fazer.

Mãe é uma extensão do nosso corpo, do nosso eu.

Quando a gente tem mãe, a gente sabe que tem um porto seguro... que aquele colo estará ali nos esperando mesmo depois de adultos.
Uma benção em nossas vida são elas.

Não quero falar de mães ruins, mães que abandonam, espancam, desprezam, humilham...

Quero lembrar das mães que são como a minha foi.
Mães de verdade.
Mães de fibra.
Mães de coragem.
Mães que se anulam pela felicidade de um filho.

Que lindo exemplo de mãe eu tive com a minha.

Mãe presente, mãe amável, mãe preocupada, mãe guerreira, mãe leoa, mãe dedicada.
Mãe, minha mãe.

É nela que sempre me espelhei pra criar a minha filha.
Quebrei a cabeça no início por imaturidade, claro que nem tudo foram flores sempre.
A gente erra quando é jovem e pensa que sabe tudo.

Eu aprendi com ela que mãe tem que mostrar pro filho que este pode contar sempre, que mãe é pra tudo.
Por isso procuro pensar antes na Jéssica, no que será melhor pra ela... em como deixar o mundo menos cinza, em como trazer mais brilho e amor ao seu dia-a-dia.
Talez muitas vezes o amor não venha em forma de beijo e abraço, mas através de atitudes.

Ser mãe é o papel mais importante da minha vida e o que mais valeu a pena...

E minha mãe está guardada pra sempre nos nossos corações.

terça-feira, 4 de maio de 2010

O tubarão no pico dos surfistas em Matinhos



Recentemente apareceu no mar de Matinhos/PR, um tubarão.
Os pescadores não tiveram dúvidas e saíram a caça do animal, protagonizando uma cena dantesca, digna de filmes de aventura e ação.
Mataram o tubarão e dividiram sua carne.

Triste matar um animal que, por mais que não seja indefeso, não entrou ali com o claro objetivo de caçar.
Pode até ser que tenha entrado, sei lá.
Só que raramente isso acontece.
Diferente das águas quentes de Pernanbuco aonde os ataques são mais frequentes, nosso litoral não atrai estes animais sempre.
Sorte nossa. Deles também.

Ecologicamente falando, foi de uma barbaridade enorme matar o bicho.
Primeiro porque não estava invadindo nosso habitat, apenas se aproximou mais do que o normal da costa.
Realmente, o pico de Matinhos ferve de surfistas, mas e daí?
Teriam eles mais direitos de surfar do que o tubarão de nadar calmamente?
Matar... vão matar tubarão por tubarão que apareça ali?
Esta é a solução mais fácil?

O ser humano realmente em muito casos é pior que um animal.

Autoridades, IBAMA, ONGs de defesa aos animais, me parecem não existirem nesta cidade.
O certo seria pedir para que os surfistas se afastassem da água até o bicho voltar ao alto-mar.
Porque mataram um, mas será que não aparecerão outros?
Daí? Vão matar um a um?

Também olhei a situação pela ótica dos humildes pescadores.
Provavelmente, muitos dos que participaram da ação deveriam surfar ali ou ter filhos que surfassem naquele pico.
Realmente, se eu soubesse que algo ameaça a vida da minha filha eu me desesperaria.
Talvez não pensasse duas vezes antes de mirar um arpão na cabeça do bicho.

Por isso, precisamos de alguém de fora para que não façamos o que nos der na cabeça.

Os órgão competentes deveriam ter se posicionado, afinal, nunca soube de alguém ter sido atacado, se houve, não deve ter sido frequente.
A quem cabia proteger o tubarão?

A morte de um ser que ficou indefeso diante de lanças e pauladas é algo assustador.
Só a ignorância justifica um ato tão cruel.
Por isso que no mundo existem aqueles que nasceram pra comandar e os que precisam obedecer, neste caso, um inconsequente comandou e alguns tolos o seguiram.

Já imaginou se os pescadores que lotam os rios do pantanal resolvessem matar todas as onças que cruzassem seus caminhos... ou os jacarés... opa!
Já fazem isso né?
Por isso que há tantas espécies em extinção.

A cena é triste, nos torna tão irracionais quanto qualquer animal.

Muitos seres humanos me causam vergonha.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Saudades...



Aproveitando este lindo vídeo que fala de saudade de maneira tão sensível, resolvi falar deste sentimento mais uma vez...
Até porque sentir saudade na véspera do Dia das Mães, é algo até já esperado.

Saudade é algo complicado, ninguém escolhe ter.
Ninguém tem por objetivo sentir saudade...
Não dá para planejar, nem é fácil livrar-se dela.
Só quando o objeto da nossa saudade torna-se real de novo.

Um filho que volta de uma longa viagem, o marido que retorna no final da semana, a amiga que reaparece de repente...
Talvez a saudade seja apenas um desejo de se degustar alguma comida ou apenas de sentir o cheiro de determinado perfume.
Podemos sentir saudades de retornarmos a algum lugar incrível.

Há saudades e saudades.

Saudade de alguém que já partiu (como eu sinto), é quase impossível de se resolver.
Você pode assistir uma imagem da pessoa num aparelho de DVD, por alguns minutos pode deixar de sentir saudades da voz, do jeito, mas a saudades de abraçar, de beijar, ah... não tem como.
E como a saudade machuca quando nos deparamos com a imagem do ente querido nos observando numa foto ou congelado pra sempre naquele Dia das Mães de alguns anos atrás...

Saudade dói.
Saudade mata.

Saudade é um dos sentimentos mais profundos que existem.
Podemos sentir saudades de uma determinada época da vida, de quando éramos pequenos, de quando nossos filhos eram pequenos, de quando éramos alunos aprendendo numa cartilha as primeiras letras.
Saudade de sentir aquela alegria especificamente.

Saudade de acreditar que o dia do seu aniversário é o mais especial do mundo...

Saudade do tempo em que corria pro colo dos seus pais quando sentia medo.
Ou de quando fingia dormir na cama deles pra ser levado no colo.

Pode doer, mas é através da saudade que mantemos vivas dentro de nós lembranças de tudo de bom que passamos, sentimos, vivemos.
Ninguém sente saudade de algo ruim, de gente que nada significa.

Saudade está ligada ao amor.

Você pode sentir saudades de um ex-namorado de quem não recebe notícias há tempos, mesmo sem amá-lo, apenas por causa do "querer bem".
Pode sentir saudades daquela vizinha querida que nunca mais viu.
Daquele cachorro que foi seu na infância.

Você pode sentir saudades de você mesmo.
Porque com o passar dos anos vamos nos moldando, nos reciclando, adquirindo cicatrizes na alma e perdemos o encanto infantil.

Acontece de repente.
Lembro bem do dia em que completava 16 anos, estava dentro de um ônibus indo pro colégio, exatamente na ponte que liga São José à Floripa.
Estava longe dos amigos, ninguém, a não ser minha família sabia que era um dia tão especial.
E de repente me dei conta de que o dia não tinha nada de diferente, o céu estava azul, a água verde, teria todas as aulas...

Sinto saudades de quando achava que o dia do meu aniversário era um fato extraordinário!

Vamos ficando maduros e perdemos um pouco da nossa magia.
Que bom se nunca acontecesse isso, se todos os adultos conseguissem levar este encantamento pro resto da vida...

Ai saudades...

Viver com o peito repleto por ela não é fácil.
Tem grandes saudades, saudades que podem ser resolvidas, saudades de todos os tamanhos, de todas as formas.
Ela brota no coração e se enraiza por todos os órgãos.

De repente você está arrumando seu guarda-roupa e encontra uma blusa antiga, se lembra da última vez que a usou, ou de quanto ficou feliz ao comprá-la.
E lá vem ela de novo...

A saudade é assim, chega a qualquer momento.
Você pode estar caminhando e cruzar na sua frente um FIAT 147, não é só um carrinho velho, te traz a mente milhares de recordações.

Uma música, um cheiro... os comerciais antigos... quem nunca deu uma pesquisada no youtube se ficou horas vendo todos eles?
Tem aquele e-mail com várias fotos de produtos dos anos 70...

Saudade signfica que há algo de bom pra ser revivido.
Triste daquele que não sente saudades de nada, de ninguém...

A gente só não pode deixar que ela páre nossa vida, nem que nos tire a fé do futuro.
Porque um dia sentirá saudades do dia de hoje e das pessoas que estão ao seu lado agora.